A busca da Razão
Marina Colasanti

Sofreu muito com a adolescência
Jovem, ainda se queixava.
Depois, todos os dias subia numa cadeira,
agarrava uma argola presa ao teto e, pendurado,
deixava-se ficar.
Até a tarde em que se desprendeu
esborrachando-se no chão: estava maduro.

 


 


Conto em letras garrafais
Marina Colasanti


Todos os dias esvaziava uma garrafa,
colocava dentro sua mensagem, e a entregava ao mar.
Nunca recebeu resposta.
Mas tornou-se alcoólatra.



(Textos do livro: Contos de Amor Rasgados)






Entre um jogo e outro
Marina Colasanti


Ter você nu na cama
que deleite.
E como a gente brinca
e rola e ri
para depois sentar
nos lençóis descompostos
o corpo ainda suado
e continuando sempre
o mesmo jogo
falar a sério
de literatura.

Te beijo no cangote
e quieta penso:
um outro amante assim
Senhor
que trabalho terias
pra me arrumar
se me tomasses este.


 

Foto: Retirada da Net
Wav: Camargo Guarnieri - Toada Sentimental
Arte e Formatação: JoiceGuimarães

 

 

 

Voltar