Amo-te, João!

J.J. Oliveira Gonçalves


 

 
 
 
 
 
 

  Da Série:  HORA DE HISTÓRIAS!
 
      CONTOS DE MINHA VIDA EM FAMÍLIA:

                    "A ENGENHOCA" 
                   Nídia Vargas Potsch
                            
 
     Família gulosa é um caso sério! Principalmente quando se tem uma mistura de avô português, dono de um armazém, com uma avó mineira formada em ?forno e fogão?, exímia cozinheira ... Qual a herança que fica?  Acho que vocês bem podem imaginar...  Comer! Comer! Comer!  E Comer muito bem !!! rs rs rs.
     Lembram-se de meu tio Dimas? Sempre aprontando das ele.  Certa tarde trouxe para casa uma "engenhoca" de alumínio de fazer sorvete.  Não precisa dizer o tamanho do reboliço e alvoroço que causou na criançada.   Como era princípio de Dezembro, com o Natal se aproximando, e época abundante de frutas, a meninada resolveu experimentar sorvetes variados de diferentes sabores...    Arranjaram bastante sal grosso no armazém e todas as tardes, após o colégio,  lá iam elas preparar o sorvete. Vocês tem  alguma idéia de como se fazia sorvete desta maneira?
Colocavam o suco de frutas coado e já adoçado  num pequeno recipiente que chamaremos de "leiteira" e cada uma delas ia rodando com as mãos até virar sorvete... Eis a mágica! E a briga para ver quem rodava primeiro? Esta leiteira era encaixada num cilindro onde ficavam o gelo e o sal grosso, que muitas vezes devido a afobação  das pequenas em ver o sorvete pronto, se misturava ao suco de frutas, causando um estrago tamanho. Mas era uma alegria e uma delícia depois de pronto. Mesmo um tanto salgadinho...rs.  Sorvete natural! Quem se lembra o que é isso?
       Resolveram desse modo experimentar o sorvete de abacaxi, que foi eleito por unanimidade  o melhor deles e seguidamente o mais apreciado e consumido... Dito e feito!  Após uma semana, todas as quatro donzelas estavam com  suas bocas perdidas em aftas. Que iam da língua ao céu da boca. Tal a gravidade e abuso da fruta ácida...  E isto justamente nas vésperas do Natal ...  Vovó não teve dúvidas, varejou a engenhoca no fundo do  quintal com toda sua força ... Cilindro amassado, impedido de rodar, conclusão... nada de sorvetes por um longo tempo... rs rs.
Durante dias seguidos só conseguiram comer e se alimentar com mingau de fubá... e o aniversário de mamãe, que era dia vinte e cinco, nem pode ser comemorado com a alegria de sempre... Olhavam as iguarias na mesa e seus olhinhos se enchiam de lágrimas... Foi o bastante para enternecer o coração do vovô. Muito humano como ele era, resolveu repetir a dose.... e em janeiro do ano seguinte, criou um Natal especial para as suas meninas, com tudo o que havia de melhor e ainda com mais fartura se pode-se dizer assim. Como amava suas pequeninas filhas!
 
 
 
             OBS: O importante de tudo isso é a lição de amor que recebemos diariamente e que fica "armazenada" em nossos corações para sempre. Saudades de um avô que não cheguei a conhecer...
  
  

                                                              @Mensageir@
                                                            RIO,26/11/2001
 
                                                        COM CARINHO, Nídia.
 
                                                                      
 
 
 
 
     
 
 
 
 
 
 
                                           Arte e formatação: Rosimary S. Santos.
 
 
 

VOLTAR