CONTOS DA MINHA VIDA EM FAMÍLIA:
 
AS ESTREPOLIAS DO PRIMO VINÍCIUS.

Nídia Vargas Potsch
 
 
 
Vinícius era um primo muito querido, adorável e brincalhão. Desde pequeno admirava as mulheres bonitas e sempre se sentava, na escola, ao lado das mais belas meninas da turma. Não é preciso dizer que ele levou exatos oito anos para terminar o primário, tal sua paixão pelo belo sexo.
Já homem feito, casado e pai de três filhos, resolveu sair para mais uma noitada de “farra” com dois amigo do peito... tio Dudu, primo Pedro e um vizinho que não recordo o nome.
Disse em casa que iria fazer serão no trabalho... naquele tempo existia serão... rs rs...
Arranjaram quatro “meninas da pesada” e lá foram eles felizes da vida para o bar da “esquina do pecado” como era conhecido o pé sujo que gostavam de freqüentar, seu barzinho preferido. Petiscos vão, petiscos vem, bebidas vão e vem... conversas jogadas fora, risadas, amassos, mais piadas.... mais amassos... mais bebidas para regar tão grande euforia.
Lá pelas tantas, já de madrugada, o garçon avisa que uma das “moças” está passando mal no banheiro. Correm para lá... todos ao mesmo tempo. A moça estava verde, colocando cargas ao mar... e como se sujara muito, algum engraçadinho teve a brilhante idéia de limpa-la. E sabem como ? Com um bom banho... rs rs... Colocaram-na debaixo do único chuveiro existente no estabelecimento, o chuveiro dos garçons... rs... depois de lhe tirar todas as roupas.
Imaginem, quatro homens bêbados além dos limites do tolerável, segurando uma “moça” pelada debaixo de um pequeno chuveiro elétrico, num box minúsculo, esperneando e xingando aos berros todos eles... Me larga, seus covardes, estou legal !
Nisso, o vizinho teve a brilhante idéia de pregar uma peça no coitado do meu primo, que distraído, ensaboava a menina... Colocou o mini biquini vermelho da mulher no bolso do paletó do Vinícius ao se despedirem da noitada .
Chegando a casa, Vinícius desabou no sofá da sala como não podia deixar de ser, mas não sem antes tirar toda sua roupa, joga-la pelos cantos e ficar só de cuecas, como era seu costume dormir.
Acordou no dia seguinte com uma enorme ressaca e dor de cabeça, com sua mulher irada, muito irada, catando suas roupas do chão, espalhadas pela sala.
-O que houve, mulher ? Não vê que o serão foi de amargar... olha só o meu estado... fiquei fazendo contas a noite toda... (ele era contador ) me deixa dormir mais um pouco.
Justo no momento em que a tal calcinha vermelha cai do bolso do paletó... rs rs rs...
 -Me explica, seu pilantra, em que “serão” o senhor esteve até agora! Onde vc. arranjou isso...??? E segurava bem alto esfregando no nariz do primo o seu troféu da noitada. ME DIGA !!! VAMOS !!!
 
  * * * *
 
SEM COMENTÁRIOS!    Já viram, né? 
E O PAU QUEBROU NA CASA DE NOCA! kkkkkk ......

                                     

 

 

que "pegavam

Rio, 2002

@Mensageir@

 

 

VOLTAR