Hora de Histórias: Contos da Minha Vida em Família
 
O Bolo da Vovó Albertina
Nídia Vargas Potsch
  
 
  - Oi,Vó, tudo bem? Vim pedir a receita do bolo que vc. fez na semana passada. - Qual, minha filha? O de milho ou o de aveia ? O de aveia voinha... é muito gostoso! O livro está em cima da bancada da cozinha, querida,  pode levar emprestado... mas traz logo de volta que sem ele eu não vivo.    
    Com imenso cuidado, carregando a preciosidade da vovó na minha bolsa, fui para casa feliz da vida fazer o delicioso bolo para um chá com as amigas... Faltavam três dias para o chá  e resolvi testar a receita. Misturei a massa, bati as claras em neve, untei a forma como recomendava a receita e coloquei  no forno pré-aquecido esperando surgir a maravilha para poder degustar.
Que horror ! Quando retirei do forno estava irreconhecível... Voltei correndo para a casa da vovó querendo uma explicação para o fato. Como o bolo dela saia bem fofinho e bem alto... de dar água na boca e o meu, todo murchinho que nem sola de sapato velho? Snif... snif... Muito simples, minha filha, tá vendo só aqui ...? Pedem três ovos, eu coloco sempre seis... para me garantir... eta povinho mesquinho! Diz aqui, duas colheres bem cheias de manteiga, hum... deixe-me ver, coloco logo um meio pacote,  não gosto de misérias... E a farinha, vou jogando e mexendo,  jogando e mexendo aos pouquinhos, até o quanto baste. É assim, é simples assim, viu só, filha, não tem o que errar.
É uma questão de prática, só isso, mocinha! E para quê, então, o livro de receitas, vovó?  Ora, querida, seguro morreu de velho! Se o bolo ficar ruim, digo logo que areceita é quenão prestava.
 
 
 Esta era a minha vó Berta. Tinha 81 anos quando o fato ocorreu. Faleceu aos 100anos, ainda lúcida e com muitas aventuras para serem rememoradas por seus netinhos, inclusive eu... Abençoada vovó!

                                                                             
                                                                     @Mensageir@
                                                                         R.J., 2001
 

VOLTAR