HORA DE HiSTÓRIAS!

   CONTOS DA MINHA VIDA EM FAMÍLIA:

 

UM VERDADEIRO LAR!
Nídia Vargas Potsch
 
 
Tenho uma amiga, muito querida, delicada,
atenciosa, firme, preocupada, carinhosa,
que atende pelo singelo apelido de infância,
TETÊ, a querida Tetê Alencar.
Conto-lhes que houve nessa semana que
passou, um Encontro de Poetas em Juiz de Fora,
para comemorar os três anos de existência do
Site do Poeta Sardenberg.
Tetê, com toda sua gentileza, nos hospedou
em sua casa. Quatro das poetas participantes
deste Encontro de uma só vez... rs.
Podem imaginar cinco mulheres leves, livres e
soltas, a fim de zoar muitooooooo?
Eram: Marilda Conceição (Ternura),
Neli Neto, Sônia Grillo (Baby),
 e eu quem lhes escreve, Nídia.
O que desejo que fique aqui registrado,
 não é só a beleza do coração desta mulher
 guerreira sensacional, mas sim o aconchego
com o qual ela, em sua casa, nos proporcionou
nestes seis dias de estada por lá...
UM VERDADEIRO LAR!
Muitos pensam que Lar é uma casa  "arrumadinha",
onde suas visitas ficam sentadinhas
no sofá da sala, tomam um cafezinho
ou refresco, conforme a ocasião,
 e saem dizendo "maravilhas" da decoração... rs.
Isso já era! Já foi de há muito!Lar, amigas, foi onde ficamos:
deliciosas almofadas para nos recostarmos,
toalhas macias para o banho, banquinhos para pés cansados, cama cheirando a sol, etc e tal...
Podem imaginar, não?
Tudo isto só para comentar os pequeninos detalhes
 que fazem a diferença dos cuidados (materiais)
com os quais fomos cercadas...
Querem saber mais, decerto!
Risadas a todo momento nos tornavam
adolescentes outra vez...
Podem calcular o quê que era das cinco,
 quatro mulheres "fumantes" inveteradas
e euzinha, de "fumante passiva"... rs?
Era cinza de cigarro pra todo lado,
isqueiros trocados e perdidos por
entre almofadas, no banheiro, na cozinha,
maços sumidos sei lá onde e
recuperados horas depois,
cinzeiros lotados e a confusão regada a
 cafezinho de hora em hora...
O mais engraçado era nosso "desespero"
por limpar nossas caixas de e-mails, que
este povo maravilhoso insiste em nos enviar,
mesmo sendo comunicado de um pequeno evento
como este...
Cinco em banquinhos ao redor do PC... rs...
O melhor de tudo isto era que sempre vinha
acompanhado de um largo e
 belo sorriso da anfitriã, com direito
 a muitas gargalhadas e brincadeiras.
Minhas mandíbulas quase se deslocaram
de tanto rir e gargalhar...
Por quase tudo que ocorria.
Íamos dormir às 3h, 4h, e até às 5h da madrugada.
O companheirismo nos faziam quase que
"Irmãs de Sangue", na solidariedade, nas brincadeiras,
nos deboches, na afetividade,
tudo era motivo para risos... e mais risos...
Tínhamos liberdade para "usar e abusar"
do espaço o quanto quiséssemos.
Quatro mulheres "enlouquecendo" a dona da casa,
 tirando e revirando as coisas dos seus devidos lugares de origem, usufruindo e vivendo, compartilhando
problemas diários, suas soluções, conselhos mútuos e amigos, pois ninguém é de ferro... rs.
A isto, amigas, podemos chamar de Lar,
com "L" maiúsculo!
UMA CASA VIVA! UMA CASA ONDE SE VIVE!
Não apenas uma casa onde se Mora!
Nesta Casa, o Amor brota por entre seus móveis,
Flui das belíssimas coleções de chaveiros,
xícaras de porcelana, ímãs de geladeira, bonecas antigas,
emanam boas energias dos retratos lindamente
expostos nos painéis das paredes dos quartos,
no álbum de poemas da senhora mãe de Tetê, D. Ottília.
Através dos oratórios e santinhos em cantos
estratégicos da casa, sentíamos as vivificantes energias...
Tudo ali cheira a flor, carinho, amor e
por que não dizer a um "cigarrinho"... rs...
E, antes mesmo de partirmos, a saudade já
nos pinicava a alma e o coração.  Da linda varanda
- estávamos no décimo-quarto andar -
atravessávamos os céus nas asas da imaginação,
 de onde podíamos orar para Cristo, localizado no morro defronte, num céu muito azul, e a brisa suave que nos envolvia, transmitia e levava nossas preces
 até ELE, com certeza! E as fazíamos juntas...
Agradecer a Deus a Dádiva  de uma grande amizade
e o privilégio de ter convivido,
mesmo que por alguns poucos dias,
com alguém tão carismática e especial
como Tetê no seu precioso paraíso particular.... é Lei!
Marilda, a madrugadora, se encarregava de ir
à padaria buscar pão fresquinho todas as manhãs,
e nós, as "preguiçosas de plantão", dormíamos até mais tarde... Sem ninguém nos incomodar, claro!
Tetê, sempre muito atenta, nos providenciava um café
da manhã de princesas e um almoço de rainhas
e os jantares no mesmo teor... Sem tirar nem pôr... rs.
Nossaaaaa... acho que engordei uns cinco quilos... rs...
Um por dia... para variar... Ó gulosa!
Passeamos pela linda cidade,  conhecemos e fizemos
inúmeros novos amigos no Encontro dos Poetas,
e nos prometemos voltar em breve...
VALEU, JUIZ DE FORA!
VALEU, AMIGA TETÊ!
Foi realmente um Encontro de Almas!
Um Encontro Inesquecível!
Ficará guardado nas lembranças e
 em nossos corações para todo o sempre!
Obrigada, Tetê, por ter nos proporcionado
tanta ALEGRIA e FELICIDADE JUNTAS!
 
* * *
 
 
@Mensageir@
Rio, 10/10/2007
 
 
COM CARINHO, Nídia.
COM MUITO AMOR NO CORAÇÃO!!!


  


  A VIDA QUE LEVAMOS É EXATAMENTE DO TAMANHO

DO NOSSO CARINHO E AMOR PARA COM OS DEMAIS...

DE NOSSAS VIVÊNCIAS, EXPERIÊNCIAS E RECORDAÇÕES!!!

JÁ PENSOU NISSO? NO VALOR DAS AMIZADES SINCERAS?

 
Grata pela formatação, amiga Rose.