A Sonoridade do Vento...
Nídia Vargas Potsch
 
 
No sibilar do vento estradas atravesso
A imaginação busca por loucas paragens
Ao sabor deste volitar  por estas aragens 
Alcanço os pássaros canoros e me apresso
 
Existe infinito colorido a ser explorado
Universo de sons, sentimentos, vibrações
Águas cristalinas, labirinto estruturado
 Pés descalços pulam pedras, sensações...
 
Casario rústico ao longe parece um sinal
Rascunho d'uma bela pintura provençal
Da qual, sem me dar conta, eu participo
 
Observo bem de perto, esse mundo ideal
Como o azul da borboleta que antecipo
Delinear  nos céus ardente vôo nupcial...
 
@Mensageir@
Rio, 19/06/2013
 
Carinhosamente, Nídia.
 
 
 
 
O SOM DO VENTO
António Barroso (Tiago)
 
Já se ouve, ao longe, o vento a murmurar
Canções que leva a brisa, em seu caminho
E, na passagem, acorda o passarinho
Que corre, pelo ramo, a saltitar.
 
Quando els se prepara p'ra cantar,
O vento amaina e, devagarinho,
Bate à janela de um e de outro ninho,
Para ouvirem tão terno gorgear.
 
O som que anda no vento, é o refrão
Daquela melodia e da canção
Que anda, à solta pelo ar, que é poesia.
 
Ao se afastar, dali, aquele vento
Não consegue afastar do pensamento
Os sons, agora seus, da melodia.
 
Parede - Portugal (11/11/2013)

 

 
 
               
                              
 
 
 
 
 
Créditos:
 
Tutorial: Chichi Martinelli
 
 
Tubes: Nikita e Ana Ridzi
 
Arte e Formatação: Vanda Gigo
 
 
Um abraço carinhoso: