"Poetas amam..."
Andréa Maia




Mesmo que de forma louca
com voz embargada e rouca.
Na pena manchada em sangue
ou no papel banhado em lágrimas.

Pela inspiração da lua
ou ardendo ao sol quente.
Perdido em folhas de outono
ou em meio ao mais lindo e sereno jardim.

Rabiscando amor e sentimentos,
criando sonhos no tear das desilusões
deixando de herança cada um de seus momentos
entrando sem querer nos corações...

Que sejam seus versos simples assim.
Poetas?
Amam...
amam sim!

 


 
 
Poetas amam....
Nídia Vargas Potsch
 
 
E por amar assim,
a Poesia que o reflete,
é plena de linguagens simbólicas.
 
Acredito que ela viva em cada um de nós,
ao nosso redor, em nossas vidas...
E todos somos capazes de apreciá-la,
recriá-la, percebê-la mesmo que
só no âmago do nosso ser...
 
E, se nos esforçarmos
para compreendê-la em sua magia,
ela fluirá como água cristalina,
tão doce como as boas lembranças,
em nossas almas e corações...
 
Por isso dizemos:
É assim que o Poeta ama!
Se quiser lembrar que a Poesia existe,
basta compreender as palavras,
que com vibração e carinho
descrevemos emoções e sentimentos.
Estamos em toda parte,
no ar que respiramos,
no mar que nos banhamos,
nas nuvens que flutuam no céu azul,
nas tempestades... muitas vezes...
Olhe para todos os cantos,
perceba a Poesia em nós enraizada.
Nosso dia a dia repleto de encantamento!
Lá estaremos, porque estamos
dentro do seu coração.
 
Que bom seria se pudéssemos viver
única e exclusivamente do amor que a Poesia faz florir...
 Ser Poesia... Amar como Poeta!
 
 
@Mensageir@
Rio, 09/01/2010
 
***
 

*Poetas amam*

Lúcio Reis

 

Amam com o raiar da aurora

Ao brilho da dama da noite

Na escuridão após o poente

No campo e na relva úmida

Em qualquer momento lugar ou hora

Sob o efeito do canto de um pássaro

Ou no despencar de uma folha seca

Embevecido pelo cantar das ondas

Embaladas pelo coral de espumas

Na sinfonia entre mar e praia

Poetas amam com o desabrochar

De uma flor linda perfumada

Que o faz lembrar da mulher amada

Amam até no murchar de pétalas

Recordando a amante que partiu

Deixando em si a alma amargurada

Poetas ama na simplicidade de uma composição

Que não se curva diante da gramática

Pois para o amor, a regra é a paixão

Que não necessita de nenhuma tática

Pois até morrer se preciso for, por sua própria mão

Sem sentir dor, e feliz ante essa ação

Posto que para o poeta amar é viver

Para poetar viver é amar.

Belém do Pará

17/01/10

 
 
 
* * *
 
Arte e formatação:
Águida Hettwer
Ano 2009
 
 
 VOLTAR