Desalento...
Nídia Vargas Potsch


Arde no peito
as chuvas que açoitam
o arvoredo de minh'alma,
onde paralelamente caminham, a saudade passional e alquebrados pensamentos,
que se fixam como imagens e palavras de uma poesia
sem som, sem rimas,
que estagnada ficou,
sem razão de ser,
sem mais importância,
porque é finda...
O encanto evaporou-se
tão rapidamente quanto chegou a ser cogitado...
Admira-me o acontecido:

Qual dos dois
incomoda mais?

Descobrir o segredo que toldou o encantamento
da tal magia
ou
a ilusão que,
prontamente,
qual fumaça, se desfez...?




@Mensageir@
Rio, 21/11/2010