Faltando e Sobrando Verdades...
Nídia Vargas Potsch
 
 
Não posso atropelar o Tempo
Retroceder ponteiros do relógio
Para tê-lo intimamente como desejaria...
 
Existe um Amor incontrolável que
Ardendo aqui dentro do peito,
Me faz querer sempre mais... mais e mais...
 
Como vidro quebrado, os estilhaços
Espalhados por todo lado,
Ferem minh' alma a cada passo mal controlado.
 
Não sei como faço, nem se andar ou parar.
 Não sei mais se agir ou omitir...
Onde a coragem, as verdades não ditas?
 
Sigo a cantar este puro amor
como as vibrações de uma melodia ilusória
Onde a cadência, o ritmo, a trama, o envolvimento?
 
Se há covardia, falta-me o ar
para afirmar que sentimento é esse que mexe
com o âmago de meu ser a ponto de revirá-lo louco.
 
A ponto de esmigalhar os dias que passam
na mesmice comedida das lamentações.
Será utopia ou leviandade este amar insatisfeito?
 
Madrugadas pensativas, mescladas com
a saudade que não sei de onde vem
ou porque vem e está afligindo-me a alma.
 
Talvez a eternidade me responda...
 
 
@Mensageir@
Rio, 15/08/2012
 
Carinhosamente, Nídia.
 
 
 
                             
 
 
 
VOLTAR