"O Amor não tem plural."
                                            Ludwig Feuerback 


 

 
 
O Berço da Tristeza!
Nídia Vargas Potsch
 
 
 
Não há poesia nem rimas, onde ela se aninha
Que descrevam de modo condizente
A amargura de um coração eivado de tristezas.
 
No âmago do ser, bem lá no interior
Cresce sua ácida sementinha
Desenvolvendo-se em ramas envolventes
Que muitas vezes tomam conta
De nossas emoções, do nosso Eu.
 
Perde-se a beleza do viver
 Alquebrada, desgostosa, pela dor profunda
Ou mágoa por seus sonhos desfeitos
Recebem cicatrizes que tatuadas
Permanecem sangrando
Na alma vazia... cheia de dor...
A alma sofre de maneira única!
 
A Esperança desacreditada
É pior que a ilusão
 De quem nunca sonhou!
 
 
@Mensageir@
Carinhosamente, Nídia.
 
 
 
 
 
 
 
TUTORIAL SUELYDAM