De Olhos Fechados
Nídia Vargas Potsch



Na calada da noite,
em plena madrugada
ou numa tarde ensolarada,
seja onde ou como for,
a ti me entregarei sem medo,
sem pudores de nenhuma espécie.

Faça chuva ou sol escaldante,
quero mais é ser sua amante
em quaisquer circunstâncias,
poder auferir este amor, afinal,
somos livres para nos amarmos!

Despida de qualquer vaidade
em teu regaço me deixo ficar.
Dispo-me de preconceitos,
conduzo-te amorosamente,
convidando-te para meu leito...

Amor crescente que nos envolve
cercado de carícias tentadoras
de desejos insaciáveis, faz com que
saudaremos à Vida
com um louco e esperado brinde:
um delicioso orgasmo a dois!

Nesta dança inolvidável
estaremos agasalhados
em corpos ardentes, corpos sequiosos,
num bailado todo próprio
repleto de rimas, poesia e calor.

Talvez, do brilho de muitas estrelas
ou dos raios do sol, quem sabe?
Que lá de cima estarão nos observando
e espargindo sua Luz!

E neste instante glorioso,
como num sonho,
pode ser que ao sussurrarmos
doces palavras de amor um para o outro,
digamos, por fim: Eu te amo!

 


@Mensageir@
Rio, 20/08/2010

 

 

ARTEBYSUELYDAM

 

 

 

Voltar