Da Série Mini Contos - nº13:
 
 
 
A Saudade veio de trem...
Nídia Vargas Potsch
 
 
 
Um apito ao longe... lá vinha ela, desengonçada, pra lá e pra cá como se estivesse rebolando os quadris. Tão antiga, mas tão preciosa! Atraía os turistas para a cidadezinha... E todos adoravam o passeio movimentado por cantoria, guloseimas e conjunto musical improvisado.
Chegando à estação a locomotiva verde escura brilhante, pintadinha de novo, apitava três vezes. Era o sinal convenciona, todos a postos! O burburinho local era abafado pela passagem dos vagões cujas janelas abertas, para espantar o calor, deixavam antever as cabeças curiosas dos visitantes. Mas a mesma paisagem vista das janelas permanecia sempre igual, nada mudava.
Naquele dia em especial algo um pouco diferente chamou a atenção dos passantes, dos moleques que por ali perambulavam e dos carregadores... Um elegante rapaz de terno cinza, carregando apenas bagagem de mão, ao lado de uma linda moça morena que levava uma criança pequena ao colo... Desceram os degraus da plataforma, fisionomia familiar, rosto másculo, barba aparada, porém seu porte citadino confundia e deixava dúvidas no ar... Quem seriam? O rapaz parou, olhou em torno, procurando alguém, sorriu abertamente para o velho bilheteiro da cidade que saído detrás do escaninho, seguiu em sua direção com os braços abertos, desejosos de abraçar o filho pródigo, protagonizando sem se dar conta, cena de memoráveis filmes. Se abraçaram comovidos: - Saudades, papai! - Quanta saudade, filho!...
 

 
Créditos:
 
Tutorial: Nan Hoelzle
 
 
 
Créditos:
 
Tubes: Odete, Didier, Nara Pamplona,
DBK, Guismo e LB tubes
Arte e Formatação: Vanda Gigo