Se poesia não pode evitar a morte, pelo menos que a amenize.
Affonso Romano de Sant'Anna
 
 
               Palavras da @Mensageir@:
 
 
                   
 
 

            Senti-mo-nos perplexos diante do desconhecido, do infortúnio, da doença e principalmente da morte! O desejo de ajudar, sem poder... A necessidade de rezar, sem parar... Parece que um rolo compressor passou por nós. E estraçalhou-nos, pedacinho por pedacinho.  Nos sentimos sós, mesmo com tanta gente ao nosso redor... O que podemos fazer de realmente útil?
           Como agir se  nos sentimos incapazes de reagir?  Sofrimento, dor, desespero, nada disso resolve. Nada resolve...  Somente pela fé reviveremos. Crer é a única saída provável!
            A  morte física é certa e verdadeira. Diante dela nos tornamos impotentes. Morremos a cada instante, sem perceber, e no afã de viver todos os momentos, esquecemos de nos preparar para o final fatal!

           
    @Mensageir@ 
   Rio, 16/03/2002
 
 
   Sobre a Morte:
 
 
Omraam Mikhaël Aïvanhov
 
"A vida humana é como um novelo de fio que se desenrola. No início, o fio é sólido, mas conforme o tempo passa, ele vai afinando até se partir, e é o fim. Cada um deve se preparar para este fim, para não se espantar no dia em que o Anjo da morte vier pegá-lo pela mão dizendo-lhe: «Sai dessa prisão em que está preso. Agora vai, está livre.». Mas não basta deixar o corpo físico para ser livre. A morte só é uma verdadeira libertação para quem, durante a sua estada na Terra, soube fazer um trabalho interior para se libertar das suas fraquezas físicas e psíquicas. Se vocês estão na Terra, é justamente para trabalhar a sua libertação, isto é, para dar à sua alma e ao seu espírito cada vez mais possibilidades deles se manifestarem. Quando a morte chegar, vocês partirão com a consciência de que irão viver num outro mundo... Depois, após algum tempo, retornarão para continuarem o seu trabalho."
 
 
 
Arte e Formatação
Augusta BS
 
Voltar