Ah! Como dói dizer adeus! Toda e qualquer despedida mexe com nosso emocional e fica remoendo a mente horas sem fim... Passe o tempo que passar, tudo retorna à lembrança, principalmente, se é alguém que nos é muito caro... Quando a partida é inevitável, como no caso de doença incurável e terminal ou de acidentes inesperados, a separação martela fundo nossa cabeça nos fazendo pensar... e pensar... no que foi ... no que poderia ter sido... e não foi... e porque aconteceu o fim deste relacionamento e ou amizade. Quaisquer um deles, tais como: marido, mulher, pai, mãe, filhos, sobrinhos, afilhados, amigos queridos. Qualquer de nossos entes queridos que se vai e podemos, sem sombra de dúvidas, incluir neste rol nossos animais de estimação tão amados, cuja curta vida depende de nós, nos deixam arrasados!
Como não podemos nos decidir sobre nossas vidas e nem pela vida dos demais, como enfrentarr o óbvio?
Só nos resta o consolo das orações, da meditação, das preces para conforto interior do espírito o que para muitos nem isso, pois não crêem. Quando a hora fatídica chegar e bater à nossa porta, o bom seria voltar o pensamento a Deus e agradecer. Sim, agradecer pelo tempo em que nos foi permitido conviver com tal pessoa maravilhosa e querida, porque nesta caminhada da Vida tivemos que amadurecer para aprender e entender que tudo nesta Existência tem um princípio, um meio e um fim...
 
 
 
@Mensageir@
Carinhosamente, Nidia.
 
 
 
 
Arte e Formatação:
 AugustaBS
 
 
 
VOLTAR