O Casamento da Princesa Anna
Nídia Vargas Potsch
(baseado em conto árabe)

 

No Reino de Kali, existia um rei muito rico e poderoso que desejava casar sua jovem filha Anna, uma delicada e linda princesa. Kaliamon o rei, queria como genro, um príncipe inteligente, generoso e muito justo para poder cuidar e administrar os problemas do reino, dos súditos e da fortuna que a princesa um dia iria herdar. Apareceram três pretendentes à mão da princesinha. Todos jovens, galantes e corajosos. O rei tinha que decidir qual deles era o melhor. Propôs então um problema: aquele que melhor o solucionasse seria o príncipe escolhido. A proposta foi imediatamente aceita. No dia marcado para a disputa, com a cidade toda embandeirada e florida, os três príncipes chegaram cedinho ao Castelo Real. Kaliamon pediu a seu ajudante de ordens que lesse para eles e os demais súditos que desejavam assistir a competição, as regras e qual seria a prova a ser cumprida pelos três príncipes.

“Na torre mais alta do castelo existe um quarto bem alto, com apenas uma pequena portinhola e um binóculo de igual tamanho, (janela redonda bem pequena). Em nome do rei, vou distribuir 3 moedas de ouro a cada competidor e ordenar que encham o quarto com o que preferirem, gastando somente para isso as únicas moedas disponíveis e recebidas. Aquele que conseguir o feito, será o vencedor e se casará com a princesa Anna ainda hoje ao anoitecer.”

Kaliostro, o primeiro príncipe a se apresentar, partiu a galope para seu reino. Eles eram exímios fiadores de seda. Gastou as três moedas e comprou toda a seda do reino. A quantidade não foi suficiente para encher o quarto, pois, só cobriu uns dois metros de altura de um total de quatro metros.

Kaliamin, o segundo príncipe inscrito no torneio, correu aos jardins do castelo.Com a ajuda de três jardineiros colheu todas as flores ali plantadas. Mas também não conseguiu o que pretendia. Encher o quarto! Era dia de festa e a cidade estava toda ela enfeitada com bandeirinhas, bandeirolas e muitas guirlandas de flores. Assim,. Não havia flores em número suficiente para encher o quarto da torre. Mesmo assim, generoso, Kaliamin deu aos três jardineiros uma moeda de ouro para cada um deles em agradecimento pela ajuda recebida.

Kallamy, o terceiro príncipe da lista, apanhou no corredor do castelo uma velha lamparina de parede. Com ela na mão se dirigiu ao quarto que permanecia vazio e escuro. Imediatamente o quarto da torre se encheu de luz e refletiu sua luminosidade pelo binóculo para os convidados do rei que estavam aguardando no pátio. Kallamy foi ovacionado pelo povo que compreendeu que sua ação fora a mais simples e eficaz, porque além dele cumprir as ordens reais sem muito esforço, soube poupar as três moedas de ouro. Assim, ele saiu vencedor! Casou-se com a princesa Anna e foram felizes para sempre...

 

MORAL DA ESTÓRIA: Onde há Luz, há Vida!

E onde há Vida, consequentemente existem Luzes e Cores!




Tarefas, me ajudem a fazer?

1) Ilustar a história em forma de quadrinhos com apenas uma tira ...
2)Fazer uma pintura em tela sobre a parte da estória que mais gostou.
3)Experiência: Colar figuras de revistas coloridas na parte de
dentro de um grande saco pardo de papel.
Colocá-lo na cabeça, segurá-lo a volta do pescoço sem deixar entrar luz alguma
e tentar ver as figuras ...
A seguir, fazer pequenos furos para deixar passar a luz ... e
tentar olhar novamente ...
E dizer o que observou ...
Onde há LUZ podemos ver as Cores!!!

 

@Mensageir@

 

 

Imagem Castelo jpg
Tube Casal: KSC
Gifs: JoiceGuimarães
Wav: Cinderella main title Cinderella

 


 

 

Voltar