Escuridão
Nidia Vargas Potsch



Por mais que me entristeça, amanhece.
Desagrada-me agora um novo dia
Ensaiando romper claro e sereno.
A sós, torturada, declamo uma prece...


Encontrar a mim mesma aos solavancos,
Acordar meus fantasmas e exorcisá-los.
Fecho a janela aos trancos e barrancos
Permito à escuridão alinhavá-los...


Quem sabe a quietude se enternece
Com a madrugada que em mim fenece,
Acordando a lucidez, o esquecer.


O sonho em mágoas se desvanecendo.
Meu pranto hei de chorar... permanecendo...
Nunca mais irei chorar... até morrer...




@Mensageir@
Rio, 13/03/2004
3:18h *Madruga

 

 

 

Imagem jpg
Wav: Porto Solidão

 

 

 

Voltar