"Não ergamos diques, deixemo-nos fluir."
Paulo Bomfim




Nossos beijos
Nídia Vargas Potsch
(Soneto)



Como vento em dia de tempestade
A revolver o tempero do nosso amor
Será como orvalho molhando a flor
Arroubos delicados ou com intensidade.



A espera do acontecimento desafiador
Desnudo-me lentamente a toda intimidade
Colocando à prova uma inteira verdade
Para querido e maravilhado observador.



Se for assim que penso ser beijada
Em ardentes carícias e acalantos sucumbir
Prontamente entregar-me-ei, na certa.



Flutuaremos nos mares dessa nova paixão
Querendo alcançar o céu dos amantes
Por Deus, faremos uma bela descoberta...




@Mensageir@
Rio, 22/04/2010




Mostre-me um homem que não seja escravo das suas paixões.
                                       William Shakespeare

 




criação-denise moura
imagem: By coresLisboa