O FASCINANTE UNIVERSO
DAS ARTES D'ALMA

Nídia Vargas Potsch
 

 

Idade Média: Arte Românica
Parte 2


A História em Pedra

Introdução:

 

A arte Românica é diretamente derivada da antiga arte dos romanos, inspirou-se no estilo das basílicas e cidades latinas. Abrange desde princípios do século IX até o século XIII com grande variedade e abundãncia de monumentos em diferentes localidades.  A princípio estes monumentos eram recobertos de madeira, a abóbada só aparece no século X. Afora os antigos elementos artísticos, acham-se na arte românica elementos orientais e bizantinos.

Mosteiro de Bravas - Portugal

Existia, além disso, um fundo filosófico, indispensável para o desenvolvimento artístico. As universidades eram fontes intelectuais propagadoras das teorias filosóficas da antiguidade, especialmenteas idéias de Platão e Plotino. Para os filósofos do tempo românico, o visível e o tangível é um engano dos sentidos, que impede de ver a autentica realidade: Deus.
Foram as Ordens Monásticas que depois do século XI, deram grande impulso a arte romanica.
Com pouca técnica e muita criatividade, usando decoração expressiva.

   

San Martinho                                   São Domingo - Santo Domingo                                        Basílica
 
 
 
Basilicas
 
      
 
       Igreja de S. Vicente martir - Portugal                                         Abadia de Murbach - Alsacia - França
 
 
Catedral de Pisa
 

Basílica
 
 
Essas construções arquitetônicas eram decoradas com esculturas e pinturas que oscilavam entre efeitos calmos e severos à turbulências da excitação visionária.  A escultura, em especial, trouxe de volta aos trabalhos o senso de monumentalidade. As figuras retratadas são esbeltas e com deformações que realçam sua expressividade. Há vários exemplos de emprego do relevo. A estilização e o alongamento de figuras são típicos da pintura romanesca. Os afrescos, de colorido sóbrio e escuros, também costumam aparecer com freqüência. Não é, entretanto, regra geral. A Igreja de Santa Maria, em Tahul, apresenta a Virgem e a Criança com cores expressivas.
 
 
Afresco na abóbada da Igreja Santa Maria
fig. central: Virgem e o Menino.
 
 
Para conseguir equilíbrio à pressão das abóbadas sobre as paredes laterais, os aqrquitetos dão importância crescente aos pilares e aos arcos. Inventaram o trifório e adotaram a cúplula bizantina. As abóbadas das igrejas eram de 2 tipos:  a abóbada de berço e a abóbada de arestas. As paredes com grande espessura e poucas janelas são reforçadas por contrafortes. Estreitaram-se as naves. As portas são de arco redondo. A planta da basílica Romanica modifica-se e adota o formato de cruz.A primeira coisa que chama a atenção nas igrejas românicas é o seu tamanho. Elas são sempre grandes e sólidas. Daí serem chamadas: fortalezas de Deus. A explicação mais aceita para as formas volumosas, estilizadas e duras dessas igrejas é o fato da arte românica não ser fruto do gosto refinado da nobreza nem das idéias desenvolvidas nos centros urbanos, é um estilo essencialmente clerical. A arte desse período passa, assim a ser encarada como uma extensão do serviço divino e uma oferenda à divindade.
 
 
Planta baixa das igrejas e basílicas.
e os arcos usados.
 
 
As características mais significativas da arquitetura românica são:
 
abóbadas em substituição ao telhado das basílicas;
 
          
 
 
pilares maciços que sustentavam e das paredes espessas;    
 
 
aberturas raras e estreitas usadas como janelas; 
 
Santa Maria de Ripoll - Gerona
 
torres, que aparecem no cruzamento das naves ou na fachada; 
 
 
 
arcos que são formados por 180 graus.
 
 
Claustro
 
 
A Decoração
A Pintura e a Escultura:

  
A fantasia dos arquitetos está presente nas minúcias da decoração. A escultura e a pintura integram-se completamente na arquitetura, o que torna impossível imaginar uma igreja ou um monastério  romanico sem os seus complementos escultóricos e pictóricos.
 
A pintura românica desenvolveu-se sobretudo nas grandes decorações murais, através da técnica do afresco, que originalmente era uma técnica de pintar sobre a parede úmida. Nessa época as telas ainda não tinham sido inventadas. Os pintores criavam sobre as paredes da Igrejas, Castelos e Palácios. Ou também usavam grandes pedaços de madeira maciça que para serem locomovidos de lugar seria necessário muitos homens para carregá-la, porque pesavam uma enormidade. Também realizavam pinturas sobre tábuas menores, como é o caso dos retábulos.
 
 
 
Afrescos
 
     
 
 
 
         

 
 
 
 
Os motivos usados pelos pintores eram de natureza religiosa. As características essenciais da pintura românica foram a deformação e o colorismo. A deformação, na verdade, traduz os sentimentos religiosos e a interpretação mística que os artistas faziam da realidade. A figura de Cristo, por exemplo, é sempre maior do que as outras que o cercam. O colorismo realizou-se no emprego de cores chapadas, sem preocupação com meios tons ou jogos de luz e sombra, pois não havia a menor intenção de imitar a natureza. Na porta, a área mais ocupada pelas esculturas era o tímpano, nome que recebe a parede semicircular que fica logo abaixo dos arcos que arrematam o vão superior da porta. Imitação de formas rudes, curtas ou alongadas, ausência de movimentos naturais.

 
Abadia dos Beneditinos
Pórtico de S. Vicente - Portugal
 
 
Artisticamente a filosofia românica se traduzia num simbolismo que expressava as coisas, sem contudo imitá-las. Isto explica a forma e o modo da escultura e da pintura, onde a deformação e a imobilidade dão-se não por falta de técnica, mas por excesso dela. Numa época em que poucas pessoas sabiam ler, a Igreja recorria à pintura e à escultura para narrar histórias bíblicas ou comunicar valores religiosos aos fiéis. Não podemos estudá-las desassociadas da arquitetura.
 
      
        capitel românico                                   esculturas em nicho.
 
 
 
Comentários:
 
A pintura românica sobre gesso fresco ou tábuas, nos afrescos do Panteon Real de Santo Isidoro, de Léon, por exemplo, refletem-se em fundo branco. com colorido brilhante, cenas cheias de vitalidade. A pintura de frontais dos altares e a policromis nas imagens de madeira tiveram efeito quase mágico, principalmente na interpretação do Cristo Sírio, com longas barbas e vestido por ampla túnica, majestoso. As esculturas da Virgem são um poema de delicadeza (montserrat) e os grupos das Descidas de Erill la Vall e São joão das Abadessas constituem dramática expressóes da Paixão.
 
Virgem de Montserrat
 
 
O Artesanato:

O artesanato complementa este soberbo quadro. O Cristo de marfim, de Léon, o Tapete da Criação, de Gerona. O bordado de Bayeux - são expressões desde romanico universal que se estende desde a Sé Velha de Coimbra, em Portugal, até a própria Palestina´- Santo Sepulcro, de Jerusalém.
 
Cristo em Marfim
 
 
Decoração com Mosaicos e Ilustrações com iluminuras:
 
 
A técnica da decoração com mosaico, isto é, pequeninas pedras, de vários formatos e cores, que colocadas lado a lado vão formando o desenho, conheceu seu auge na época greco-romana, se expandindo depois por diferentes lugares.. Usado desde a Antigüidade, é originária do Oriente onde a técnica bizantina utilizava o azul e dourado, para representar o próprio céu. Utilizavam, mármore, vidro, cerâmica, pedras diversas, conchas, o que variava sobremaneira os materiais e possuiam diversas e belas aplicações. É uma arte decorativa milenar.            

       
 
                        Catedral de Monreale    -      Sicília  Catedral de Westminster
 
 
A ilustração de manuscrito é outra importante manifestação da pintura romanesca. A decoração das grandes letras maiúsculas, capitulares, foi então bastante desenvolvida. No museu Britânico podem ser encontrados vários exemplares desses manuscritos.
 
         
 
 
     
 
   
 
 
Conclusão:
 
O período Românico foi uma época bastante difícil de vida onde pestes, guerras, fome, doenças, era a tônica do modo de viver  no qual o ser humano morria muito cedo por volta dos 25, 30 anos. Mas com tudo isso, chegamos ao Séc. XXI e não ficamos ainda em muitos lugares muito longe disso, não é mesmo?
 
**************************
 
Luz e Sombras
Nídia Vargas Potsch
(indriso)
 
 
Penumbra, meia-luz, crepúsculos irrompem
nuvens de sombras ao redor esvoaçantes,
Almas em vultos escapam ao medo do escuro...
 
Retraimento, isolamento, involuntário, colisão!
Espaços com pouca luz, onde apenas velas
clareiam o calabouço de trevas, vislumbre de luz...
 
Recital de luz e sombras que afligem!
 
Inquietude arrebatadora de corações...
 
 
@Mensageir@
Rio de Janeiro
 
 
************************
 
Vídeos para complementar o que foi dito acima:
 
Se desejar ver mais (existem um grande número deles para serem vistos)
basta acessar o youtube em Arte Românica.
 
 
ARTE NA IDADE MÉDIA   
http://youtu.be/-Uw1lNRJG0I
 
ARTE ROMÂNICA
http://youtu.be/EyQ-9l7CdYo
 
ARTE ROMANICA 2
http://youtu.be/Z8zA4-UFaRs
 
ARTE ROMANICA ( PARTE 1/2 )
http://youtu.be/codz9W9RD6I
 
ARTE ROMANICA ( PARTE 2/2 )
http://youtu.be/gHRieNKPUQM 
 
 
Complementos:
 
 

Cidades medievais - Alzira Miranda

A sagrada beleza - Iluminuras - Alzira Miranda


 

 
Vimos até aqui o Estilo Românico de Arte e de viver.
Veremos a seguir o Período Gótico como era.
Qualquer pergunta ou dúvida, por e-mail, ok?
Obrigada, NVP.   
 
************************
 
 
 
Créditos:
Texto e compilações:  Nídia Vargas Potsch
Arte  e Molduras:   Marilda Conceição / Joice Guimarães
 
Música: Moment of Peace - Canto gregoriano  ( Colaboração  Auber F. Júnior. ) 
Imagens:  Google.
Vídeos: Youtube
 
Bibliografia: 
1) Apostilas do Colégio Pedro II - (Organizada pelas Profas. de Artes Visuais do Colégio, onde me incluo)
2) História Mundial da Arte - Bertrand Editora. Vol 2
3) Arte Comentada - Caril Stricklasnd, Ph.D.  - Ediouro.
4) Hist. Geral da Arte - Id. Média  -  H.W. janson  - Martins Fontes / SP.
 
Fontes:
www.planetaeducacao.com.br
Consultas e Fontes: Wkipédia. 
Imagens e textos auxiliares do Google.
Videos - Youtube

     
Agradecimentos:
Às três Amigas e Poetas: Luli Coutinho, Marilda Conceição e
à Webdesigner Joice Guimarães; e,
a todos que contribuíram para que este trabalho se tornasse possível.
Meu profundo reconhecimento e carinho, Nídia.

 
 
     

Pintura: Angel Esteves - Galícia - Espanha
 

 

VOLTAR