O FASCINANTE UNIVERSO
DAS ARTES D'ALMA - 2013
Nídia Vargas Potsch

Capítulo 2  -  Parte 1
 
 
 A Pintura Neo-Clássica  ou 
Academicismo Europeu
( 1780 - 1830 )
 
 
Esse movimento expressou os valores próprios de uma nova e fortalecida burguesia que assumiu a direção da Sociedade Européia após a Revolução Francesa. O exagero ornamental do Barroco chegou ao esgotamento e entrou em declínio. Os artistas voltaram a se inspirar nos gregos e romanos. Período onde a arte volta ao equilíbrio e às normas clássicas.  As novas descobertas nas ruínas de Pompéia  (Seus belos e delicados afrescos, etc.) fazem com que os neoclássicos,  a  queiram adotar estilo semelhante. Chama-se neoclassicismo porque retornou os princípios da arte da antiguidade greco-romana, como podem perceber. De acordo com a tendência neoclássica, uma obra de arte só seria perfeitamente bela na medida em que imitasse as formas que os artistas clássicos gregos e o que os renascentistas italianos já haviam criado. Este trabalho de imitação só era possível através de um cuidadoso aprendizado das técnicas e convenções da arte clássica (metodo de ensino utilizado pelas academias de arte da Europa). Por isso o convencionalismo e o tecnicismo reinaram nas academias de belas artes, até serem questionados pela arte moderna.
D. joão VI introduziu este ensino no Brasil com a chegada da Missão Francesa em 1816.
 
 
Características: 
1) gosto pelo belo ideal - modelos greco-romanos e renascenistas;
2) arte convencional - normas rígidas a cerca da forma correta de pintar um ponto de vista clássico;
3) estúdios fechados - onde os artistas usavam a imaginação para pintar não o que viam, mas o que sabiam das coisas.  A Razão predomina sobre a Emoção.
 
Temas escolhidos:
Mitologia e fatos históricos.
 
Arquitetura e Pintura:
Nas construções civis como nas religiosas, a arquiteturaneoclássica seguiuo modelo dos templosgreco-romanos ou das edificações do renascimento italiano. A pintura neoclássica foi inspirada em Rafael Nacatse, inegável desde o equilíbrio da composição até a harmonia do colorido.
 
Esculturas:
Proporção ideal grega e serenidade de expressão. O artista neo-clássico era um estudioso da tecnica, da perspectiva e da geometria. Esse movimento era certo, simétrico e planejado.
 
 
Pintores:
 
Jacques-Louis David
 
Jacques-Louis David (1748 - 1825) - início das tendências neo-clássicas
Nasceu em Paris, pintor da revolução Francesa, suas obras expressam vibrante realismo,mas algumas exprimem fortes emoções.
 
 
 
Napoleão
 
Jean -Auguste Dominique Ingres
 
 
Jean -Auguste Dominique Ingres (1780 - 1867) - princípios clássicos na pintura
Frequentou o ateliê de David, seu mestre (1797), suas obras abrangem: composições mitológicas, literárias, nus, retratos e paisagens. Soube registrar a fisionomia da classe burguesa do seu tempo.
 
 
 
 
 
Princesa de Broglie
 
 
Thomas Gainsborough
 
 
Thomas Gainsborough (1727 - 1788) - importante artista da época.
Estudou na França e entrou em contato com a pintura da Europa Central pela qual se apaixonou de imediato. Em 1759 instalou-se em Bath , na Inglaterra. Conheceu o sucesso devido aos seus retratos. Também pintava paisagens. Conhecido como um dos fundadores da Real Academia.
 
 
 
Paisagem
 
 
Francisco Goya
 
 
Francisco Goya (1745 - 1828) - adota o fantástico, o grotesco e o social. Foi o pioneiro da arte posterior.
Nasceu na Espanha. Foi aprendiz, como qualquer garoto adoescente começou copiando os clássicos. Depois se estabeleceu em Madrid, começou a pintar retratos. O mais antigo que se conhece data de 1774, sendo que no ano de 1778 fez nada menos do que quatorze retratos. No ano de 1780, entrou para a Academia de San Fernando e apresentou a obra "La Crucificada". Nessa pintura, Goya seguiu as regras acadêmicas, provando que era um mestre do estilo convencional.
 
 
 
Autumn 1787
 
 
Pintores Europeus no Brasil
 
A chegada da família real portuguesa ao Brasil, que fugia do conflito entre Napoleão e a Inglaterra, marcou significativamente o início do seculo XIX no Brasil. Num grande impulso à vida cultural do país, D. João VI inicia uma serie de reformas administrativas, sócio -econômicas e culturais a fim de adaptar a cidade às necessidades  daqueles nobres que vieram com ele e suas respectivas famílias. Melhoramentos feitos: urbanização da cidade, criação das primeiras fábricas, fundação de instituições como: Banco do Brasil, Biblioteca Real, Museu Real, Imprensa Régia. Com isso, o Brasil passa a ter grande influência da cultura européia. Assimila e imita a cultura européia. Como a chegada da missão Artística Francesa, que introduziu no país a arte Acadêmica. Eram artistas que retrataram os costumes e as paisagens com detalhes diversos sobre costumes da terra, de moda, alimentação, etc... Assim como ensinaram novos artistas brasileiros. Foi nessa época que se fundou a Imperial Academia e Escola de Belas Artes, onde como temas preferidos pelos artistas surgiam paisagens, cenas do dia a dia e retratos. A arte passaria então por se academizar e perder sua espontaneidade. A arquitetura também passou por modificações, sendo adotado o estilo neoclássico, em detrimento do barroco, logo abandonado.
Como características temos: equilíbrio, idealismo, naturalismo, pintura histórica.
 
 
Pintores:
 
Jean Baptiste Debret 
 
 
Jean Baptiste Debret (1768 - 1848)
Integrou a Missão Artística Francesa (1816), que fundou, no Rio de Janeiro, uma academia de Artes e Ofícios, mais tarde Academia Imperial de Belas Artes, onde lecionou pintura. De volta à França (1831) publicou Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil (1834-1839), documentando aspectos da natureza, do homem e da sociedade brasileira no início do século XIX.
 
 
 
 
 
 Cortejo
 
           
 
                                             Na rua                                                      Em casa         
                                                                        
 
 
Nicolas Antoine Taunay
 
 
Nicolas Antoine Taunay  (1755 - 1816)
Chega ao Rio de Janeiro em 1816 e torna-se pintor pensionista do Reino. Integra o grupo de pintores fundadores da Academia Imperial de Belas Artes - AIBA.  Em 1820 é nomeado professor da cadeira de pintura de paisagem da Academia. No ano seguinte, após desentendimentos surgidos pela nomeação do pintor português Henrique José da Silva para a direção da AIBA, retorna à França.
 
 
                                       
           
Paisagens
 
 
3 aspectos do Rio de Janeiro
 
 
                                                                                   
Marquesa de Bellas - 1816
 
 
 
Johann Moritz Rugendas 
 
 
Johann Moritz Rugendas  (1802 - 1858)
Foi um pintor alemão que viajou por todo o Brasil durante o período de 1822 a 1825, pintando os povos e costumes que encontrou. Rugendas era o nome que usava para assinar suas obras. Cursou a Academia de Belas-Artes de Munique, especializando-se na arte do desenho. Se dedicou ao registro dos costumes locais, nos quais se pode notar o traço classificatório da arte botânica a detalhar os tipos humanos, as espécies vegetais e sua relação na paisagem.
 
 
 
(casa)  Cabana de negros

 
 
                       
                                       Batuque                                                  Cena patriótica
 
 
                  
        
         
                                 Rainha do Mercado                                 Casal de negros conversando
 
 
 
 
Lundu - 1835
 
 
 
 
Continuaremos no próximo trabalho com o Academicismo  no Brasil - Parte 2
Qualquer dúvida por e-mail, certo? Obrigada, Até lá!  NVP.
 
 
 
 
 
 
 
Créditos:
 
Texto e compilações:Nídia Vargas Potsch
Arte, Formatação:Marilda Ternura
Indriso:Nídia Vargas Potsch
 
Bibliografia:
 
1) Apostilas do Colégio Pedro II
(Organizada pelas Profas. de Artes Visuais do Colégio, onde me incluo)
2)  Arte Comentada - Carol Strickland, Ph. D
3) Para entender a Arte - Robert Cumming - Ed. Ática.
4) A Arte de ver a Arte - Susan Woodford - Círculo do Livro - Univ. de Cambridge
5) História Mundial da Arte 4  -  Do Barroco ao Romantismo -  Ed. Bertrand
 
Fontes:
 
Consultas e Fontes: Wkipédia.
Imagens e textos auxiliares do Google.
Videos - Youtube 
Música :  Arthur Moreira Lima - Turbilhão de beijos
 
 
 
Pintura: Angel Esteves - Galícia - Espanha
 

     
Agradecimentos:
 
Às duas Amigas e Poetas
Luli Coutinho, Marilda Conceição,
e à Webdesigner Joice Guimarães;
e, a todos que contribuíram
para que este trabalho se tornasse possível.
Meu profundo reconhecimento e carinho, Nídia.