O FASCINANTE UNIVERSO
DAS ARTES D'ALMA - 2013
Nídia Vargas Potsch

Capítulo 2  -  Parte 2
 
 
Academicismo no Brasil
Entre 1816 -1930
 ( Da virada do Séc XIX ao Séc XX )
 
 
Meados do Séc. XIX, o Império no Brasil conheceu alguma prosperidade econômica proporcionada pelas lavouras de café. D. Pedro II, o Imperador, assumiu o governo e procurou dar ao país um desenvolvimento cultural mais sólido. A tendência deste impulso era nitidamente conservadora e que refletia a vontade soberana de copiar modelos clássicos europeus. No Brasil, os grandes pintores desta época adotaram temas históricos, principalmente as guerras e revoluções, os patrióticos, mitológicos e religiosos. Como características destas pinturas temos: os padrões rígidos de cor e tema eram seguidos. O artista não criava de acordo com a realidade, deveria seguir os modelos clássicos e recriar a beleza perfeita dos gregos em suas obras.
o apogeu desse movimento acontece na 2ª metade do seculo XIX com os artistas Pedro Américo e Victor Meirelles.
 
 
Artistas que mais se destacaram
 
Víctor Meirelles de Lima - Victor Meirelles   ( 1832 - 1903 )
 
 
 
Foi pintor e professor brasileiro. De origem humilde, cedo seu talento foi reconhecido. Foi admitido como aluno da Academia Imperial de Belas Artes. Especializou-se no gênero de pintura histórica. Ganhou um prêmio da Academia e passou vários anos na Europa. Lá foi onde pintou a Primeira Missa no Brasil.  Quando voltou, tornou-se um dos pintores preferidos de Dom Pedro II.
 
Foi professor da AAcademia, respeitado e admirado por todos. Continuando seu trabalho pessoal realizando diversas pinturas históricas importantes, como retratos e paisagens.
 
Com o advento da República, caiu no ostracismo, pois estava muito vinculado ao Império.
 
Sua obra pertence à corrente romântica, mas suas influências foram ecléticas, absorvendo também traços do Barroco e do Neo-Classicismo. Deixou obras como:

Combate Naval do Riachuelo - 1882/83
Batalha dos Guararapes - 1879
Moema - 1866
Primeira Missa no Brasil - 1861
 
 
Batalha dos Guararapes  -  1879 Victor Meirelles
 
 
batalha naval do Riachuelo - 1882 Victor Meirelles
 
 
                                                          Moema   -   1866 Victor Meirelles
 
 
Primeira Missa no Brasil  -  1861 Victor Meirelles
 
 
 
 
Pedro Américo de Figueiredo e Melo - Pedro Américo   ( 1843 - 1905 )
 
 

Romancista, poeta, cientista, teórico de arte, ensaísta, filósofo, político, professor, lembrado como um dos mais importantes pintores acadêmicos do Brasil, deixando obras de impacto nacional.
 
Foi considerado um menino prodígio. Estudou na Academia Imperial Brasileira de Belas Artese se aperfeiçoou na França, em Paris, onde se dedicou também ao estudo da Ci~encia e da Filosofia.
 
Seu estilode pintura agregava elementos neoclássicos, românticos e realistas. Sua produção é considerada uma das primeiras grandes expressões do Academicismo no Brasil, em sus fase de apogeu.
 
 Deixou obras como:
Batalha do Avaí
Sala do Trono
Independência ou Morte
Tiradentes esquartejado.
 
 
                                                                  
                       
                                  Rabequista  árabe - 1884                      Tiradentes esquartejado - 1863
 
 
 
David e Abisag  -  1879
 
 
Independência do Brasil - 1888
 
 
Libertação dos escravos  - 1889
 
 
 
                                 
Batalha do Avaí                                          Auto retrato como Soldado 33
 
 
 
 
José Ferraz de Almeida Junior  - Almeida Junior  ( 1850 - 1899 )
 
 
 

José Ferraz de Almeida Junior foi pintor e desenhista brasileiro da segunda metade do Séc. XIX. Artista precoce, nascido na cidade de Itu. Foi precursor da abordagem da temática regionalista, introduzindo assuntos ( temas ) até então inéditos na produção da Academia Brasileira:
- amplo destaque conferido a personagens simples e anônimas.
- fidedignidade ao retratar a cultura caipira.
- supressão da monumentalidade em voga no ensino artístico oficial em favor do naturalismo.
 
Foi o pintor que melhor assimilou o legado do realismo.
 
Almeida Junior morreu apunhalado vítima de um crime passional. Até hoje há especulações e é objeto de estudo devido as histórias e lendas relativas ´`as circunstâncias de sua morte.
 
O dia do artista plástico - 8 de Maio - é uma homenagem a ele, porque data de seu nascimento.
 
    Algumas de suas obras:
Caipira picando fumo
A partida da Monção
O descanso da modelo
Leitura
     A fuga para o Egito.     
 
 
                                     
        
              
                     Arredores do Louvre  -  1880                              Partida da Monção - 1897
 
 
 
                                                            
                                                               Amolação interrompida 
 
 
 
                                  
         
       
                                        O violeiro                                                 Pescando
 
 
                                                
                  
      
                                 Moça com livro                                             Fuga para o Egito
 
 
 
Eliseo d'Angelo Visconti  - Eliseu Visconti  ( 1866 - 1944 )
 
Auto retrato em 3 posições
 
 

Foi pintor, desenhista e designer ítalo-brasileiro. Nasceu na Itália e a familia imigrou para o Brasil em cerca de 1875 e se radicaram no Rio de Janeiro.
 
Ativo nos Séc. XIX e XX, considerado um dos mais importantes artistas brasileiros do período.
 
Em 1893 Venceu o primeiro concurso da República para o prêmio de viagem ao estrangeiro,indo para a Europa. Onde um ano mais tarde seguiu para a França.
 
De temperamento inquieto e espírito aberto às inovações, Eliseu mostrou em importantes trabalhos do período de formação na França, influência dos movimentos simbolista, impressionista e art-nouveau.
 
Realizou sua primeira exposição individual em 1901, no Rj, onde além das telas a óleo, expôs trabalhos de arte decorativa. e arte aplicada às indústrias resultado de aprendizado seu com Grasset.  Sua produção nesse campo situa-o como introdutor do art-noveau nas artes gráficas no Brasil. Desenhou selos, ex-libris, cerâmicas, tecidos, papéis de parede, cartazes e luminárias.
 
Devido a exposição, recebeu convite do então prefeito do Rio de Janeiro, Pereira Passos, para executar os trabalhos de decoração do Teatro Municipal do Rio de Janeiro.realizados em Paris em duas etapas. O pano de boca, o friso sobre o palco  e  a pintura de painéis do Foyer do Teatro ( considerado Obra prima de decoração )
 
Retorna definitivamente para o Brasil em 1920. Outra luminosidade e outras cores exerceriam influência sobre ele, levando-o a criar um impressionismo próprio, retratado em suas paisagens de Teresópolis, cheias de atmosfera luminosa e transparente, de radiosa vibração tropical.
 
Para Mário Pedrosa, com as paisagens de Saint Hubert e de Teresópolis, Visconti é o inaugurador da pintura brasileira, o seu marco divisório. Nasce uma nova paisagem na pintura do Brasil. Ninguém na pintura brasileira tratou com idêntica maestria esse tema perigoso da luz tropical.
 
Trabalhador incansável e artista de vanguarda, Visconti produziu obra de valor universal, utilizando como instrumental, ao longo de suas diversas fases, técnicas e influências naturalistas, renascentistas, realistas, pontilhistas, impressionistas e neo-realistas.
 
Morto em 15 de outubro de 1944 em seu ateliê em circunstâncias não totalmente esclarecidas, sua atualidade permanece, retratada em obras com tal grau de versatilidade que, se o colocaram como o mais expressivo representante do impressionismo e figura exponencial no surgimento da pintura moderna, revelam-no também como pioneiro do design no Brasil.
 
Algumas de suas obras:
 
 
 
 
              
                     Paisagem                                     Moça no trigal                                    Paisagem
 
 
 
                                         
                           Alameda de Teresópolis                                               Flores
 
 
 
Descanso da modelo
 
 
 
 
Roupas estendidas
 
 
 
 
                                               
                                            Maternidade                                                       Patinhos no lago
 
 
 
 
                                        
 
    Meninas
 
 
 
 
                                                  
Cerâmicas
 
 
 
 
Pano de boca do Teatro Municipal do Rj.
 
 
Ao final do século XIX, os pintores nacionais começam a seguir novas direções, principalmente os artistas que iam à Europa e entravam em contato com os movimentos Impressionistas e Pontilhistas, essa mudança viria de uma forma mais clara com o pintor Eliseu Visconti. Que foi, como já sabemos, um pintor, desenhista e designer ítalo-brasileiro ativo entre os séculos XIX e XX. Eliseu Visconti é considerado um dos mais importantes artistas brasileiros do período.
 
 
 
 
 
Academicismo!
Nídia Vargas Potsch
(indriso)
 
 
Nasceram as Escolas Superiores de Artes
Mestres pintores, gravadores, desenhistas,
Todos empenhados em passarem seus conhecimentos,
 
Dentro de normas e regras rígidas, fixadas oficialmente,
Obrigatórios para todos os alunos e aprendizes
Onde emoções, sonhos e imaginação são deixados de lado...
 
Cada tela conta sua história única na Linha do Tempo.
Não há liberdade de escolha, quando se ditam regras!
 
 
@Mensageir@
 
 
 
Vídeos:
 
 
http://youtu.be/DH1Cqq4xSXc     -   artistas do Neo-Clássico - narrado
 
http://youtu.be/LBV3FuYLHNQ   -  Hist da Arte Neo-Clássica - narrado
 
http://youtu.be/07s0cploK44   -  Hist Arte Neo-Clássica  -  pintura, escultura, arquitetura
 
http://youtu.be/ndUCQv3nTrI  -   Hist do Neo-Clássico - narrado
 
 
 
 
 
Este é o segundo capítulo que lhes apresento:
Arte Neo-Clássica ou Academicismo.
 
Qualquer pergunta ou dúvida, por e-mail, ok?
Até lá e Obrigada, Nídia.
 
 
 
 
 

Créditos:


Texto e compilações: Nídia Vargas Potsch
Arte, Formatação : Marilda Ternura

Indriso:  Nídia Vargas Potsch

 

Bibliografia: 


1
) Apostilas do Colégio Pedro II

(Organizada pelas Profas. de Artes Visuais do Colégio, onde me incluo) 
2) 
Arte Comentada - Carol Strickland, Ph. D

3) Para entender a Arte - Robert Cumming - Ed. Ática.

4) A Arte de ver a Arte - Susan Woodford - Círculo do Livro - Univ. de Cambridge

5) História Mundial da Arte 4  -  Do Barroco ao Romantismo -  Ed. Bertrand


Fontes: 

Consultas e Fontes: Wikipédia. 
Imagens e textos auxiliares do Google.
Videos - Youtube 

Música :  Arthur Moreira Lima - Turbilhão de beijos
 
 
 
 
 
Pintura: Angel Esteves - Galícia - Espanha
 
     
Agradecimentos:

Ás duas Amigas e Poetas
 Luli Coutinho, Marilda Conceição,
e à Webdesigner Joice Guimarães;
e, a todos que contribuíram
para que este trabalho se tornasse possível.
Meu profundo reconhecimento e carinho, Nídia.

 

 

VOLTAR