O FASCINANTE UNIVERSO
DAS ARTES D'ALMA

Nídia Vargas Potsch


Impressionismo

Ao final do Séc. XIX há uma reação contra as regras rígidas que predominavam na Arte. Estavam novamente a procura da emoção, da paixão, queriam expressar os sentimentos. Dentro deste quadro, surgem os Impressionistas que marcaram a 1ª revolução artística total desde a Renascença.

Impressionismo - Dic. Aurélio: 2ª Edição, 30ª Impressão:
Escola de pintura surgida na França por volta de 1870, que visava a captar, em princípio, a impressão visual produzida por cenas e formas derivadas da natureza, e as variações nelas ocasionadas pela incidência da luz, e que se baseava especialmente no emprego das cores e de suas relações e contrastes, a fim de obter efeitos plasticamente dinâmicos e objetivos. Esta Escola, por suas inovações, influiu marcantemente a pintura do Séc.XX.

O Impressionismo se separou radicalmente da tradição rejeitando a perspectiva, a composição equilibrada, as figuras idealizadas e o claro-escuro da Renascença. Em vez disso, eles representavam sensações visuais imediatas através da cor e da luz. Abandonando temas históricos e mitológicos e a preocupação em imitar a realidade, os impressionistas passaram a pintar ao ar livre, preocupando-se com a luminosidade e trabalhavam as pinceladas com liberdade. É o começo da destruição da Figura.

O objetivo principal era apresentar uma "impressão" ou as percepções sensoriais iniciais registradas por um artista num breve vislumbre. Usaram para tanto, como base, a observação de Leonardo de que o rosto e a roupa de uma pessoa parecem verdes quando ela caminha por um campo ensolarado. A cor, segundo descobriram, não é uma característica intrínseca, permanente, de um objeto, mas muda constantemente de acordo com os efeitos da luz, do reflexo ou do clima sobre a superfície do objeto.

Impressão - Sol Nascente - 1873

 

Para cumprir o desafio de retratar essas qualidades voláteis da luz, eles criaram uma pincelada distinta, curta, cortada. Aqueles pontos vivamente coloridos formavam um mosaico de borrões irregulares que vibravam de energia como o pulso da vida no brilho da luz sobre a água. De perto, os borrões de cor pura dos impressionistas, lado a lado, tinham a aparência ininteligível, provocando nos críticos a acusação de que " disparavam tinta nas telas com uma pistola".
A uma distância, porém, o olho fundia listas separadas de azul e amarelo, por exemplo, em verde, fazendo com que cada matiz parecesse mais intenso do que se tivesse sido misturadas na paleta. Até mesmo as sombras que pintavam não eram cinzas ou pretas ( a ausência de cor que detestavam), mas composta de muitas cores.

Foi um período muito produtivo em que inúmeros artistas deram sua contribuição para que as fronteiras da arte se expandissem.Romperam então com a arte predominantemente imitativa, naturalista, realista.
O surgimento da fotografia impulsionou essas transformações , encorajando os artistas a se liberarem da cópia fiel da realidade e a pesquisarem outros caminhos. Os pintores reconhecem que a pintura não expressa apenas o que representa como figura, mas o que o artista sente diante do que representa.


Artistas do Impressionismo:


Manet ; Monet; Renoir; Degas; Pissaro; Sisley; Morisot; Cassatt

Édouard Manet

Nasceu em Paris, 23 de janeiro de 1832 faleceu em 30 de abril de 1883, também em Paris.
Foi um pintor e artista gráfico francês e uma das figuras mais importantes da arte do século XIX. Manet não gostava muito dos tons fortes utilizados na nova estética impressionista. Preferia os jogos de luz e de sombra, restituindo ao nu a sua crueza e a sua verdade, muito diferente dos nus adocicados da época. O trabalhado das texturas era apenas sugerido, as formas, simplificadas. Os temas deixaram de ser impessoais ou alegóricos, passando a traduzir a vida da época, e, em certos quadros, seguiam a estética naturalista de Zola e Maupassant.

 

Oscar-Claude Monet

Nasceu em Paris, 14 de novembro de 1840 Faleceu em Giverny, 5 de dezembro de 1926 foi um pintor francês e o mais célebre entre os pintores impressionistas. O termo impressionismo surgiu devido a um dos primeiros quadros de Monet, "Impressão, nascer do sol", quando de uma crítica feita ao quadro pelo pintor e escritor Louis Leroy: "Impressão, nascer do Sol” – eu bem o sabia! Pensava eu, justamente, se estou impressionado é porque há lá uma impressão. E que liberdade, que suavidade de pincel! Um papel de parede é mais elaborado que esta cena marinha.. A expressão foi usada originalmente de forma pejorativa, mas Monet e seus colegas adotaram o título, sabendo da revolução que estavam iniciando na pintura.

 

Pierre-Auguste Renoir

Nasceu em Limoges, 25 de fevereiro de 1841 — Faleceu em Cagnes-sur-Mer, 3 de dezembro de 1919 foi um pintor francês. Desde o princípio sua obra foi influenciada pelo sensualismo e pela elegância do rococó, embora não faltasse um pouco da delicadeza de seu ofício anterior como decorador de porcelana. Seu principal objetivo, como ele próprio afirmava, era conseguir realizar uma obra agradável aos olhos. Apesar de sua técnica ser essencialmente impressionista, Renoir nunca deixou de dar importância à forma - de fato, teve um período de rebeldia diante das obras de seus amigos, no qual se voltou para uma pintura mais figurativa, evidente na longa série das Banhistas. Mais tarde retomaria a plenitude da cor e recuperaria sua pincelada enérgica e ligeira, com motivos que lembram o mestre Ingres, por sua beleza e sensualidade. A sua obra de maior impacto é Le Moulin de la Galette, em que conseguiu elaborar uma atmosfera de vivacidade e alegria à sombra refrescante de algumas árvores, aqui e ali intensamente azuis.

 

 Auto retrato
Edgar Hilaire Germain Degas

Nasceu em Paris, 19 de julho de 1834 — Faleceu em Paris também em 27 de Setembro, 1917 foi um pintor, gravurista, escultor e fotógrafo francês. É conhecido sobretudo pela sua visão particular no mundo do balé, sabendo captar os mais belos e súbteis cenários. É ainda reconhecido pelos seus célebres pastéis e como um dos fundadores do impressionismo. Muitos dos seus trabalhos conservam-se hoje no Museu de Orsay, na cidade de Paris, onde o artista nasceu e faleceu. Se o quisermos classificar na história da arte, a maioria das obras consagradas de Degas ligam-se ao movimento impressionista formado em França nos fins do século XIX, em reação à pintura académica da época. Com ele estavam Claude Monet, Paul Cézanne, August Renoir, Alfred Sisley, Mary Cassatt, Berthe Morisot e Camille Pissarro, que, cansados de serem recusados nas exposições oficiais, se associaram e criaram a sua própria escola para poderem apresentar as sua obras ao público.

A arte impressionista é descrita frequentemente pelos efeitos de luz ao ar livre. estas características não são, no entanto, aplicáveis a Degas: mesmo tendo sido um dos principais animadores das exposições impressionistas, não se enquadra no movimento que, em nome da liberdade de pintar, caracteriza o grupo.

 

Auto retrato
Jacob Abraham Camille Pissarro

Nasceu na ilha de São Tomás nas Índias Ocidentais Dinamarquesas, hoje Ilhas Virgens Americanas em 10 de Julho de 1830 e faleceu em Paris no dia 13 de Novembro de 1903. Foi um pintor francês, co-fundador do impressionismo, e o único que participou nas oito exposições do grupo (1874-1886)
Com 11 anos Camille Pissarro foi enviado a Paris para estudar num colégio interno. Voltou para a ilha São Tomás, a fim de tomar conta do negócio da família. Algum tempo depois, a sua paixão pela pintura fê-lo mudar de vida: fez em 1852 amizade com o pintor dinamarquês, Fritz Melbye e a oportunidade de concretizar seu sonho surgiu com um convite para acompanhar uma expedição do Fritz Melbye, enviado pelo governo das Antilhas Dinamarquesas, para estudar a fauna e a flora da Venezuela, onde passou dois anos.Por volta dos 25 voltou a Paris.
Em 1855, ele já estava em Paris com ajuda de Melbye, tentando iniciar sua carreira. O jovem antilhano fascinou-se com as telas de Camille Corot e travou amizade com Paul Cézanne, Claude Monet, Charles-François Daubigny, entre outros pintores impressionistas. Com Monet passou a sair para pintar ao ar livre, em Pontoise e Louvenciennes.

 

Retratado por Renoir
Alfred Sisley

 Nasceu em Paris, filho de pais ingleses, tendo estudado comércio em Londres, (1857-1861) para continuar o trabalho de seu pai, diretor de uma empresa de exportação de flores artificiais para a América do Sul. Porém em vez de estudar passava o tempo visitando museus e copiando esboços de Constable, Turner e Bonington. Quando voltou a Paris conseguiu autorização dos pais para entrar para a escola de Gleyre. No ateliê de Paris, Sisley conheceu Renoir, Bazille e Monet, com os quais passava horas pintando no bosque de Fontainebleau. Em 1877 participou da terceira exposição do grupo impressionista. Junto com Camille Pissarro, Sisley foi um dos mais representativos paisagistas do impressionismo, sendo considerado também um dos pintores da escola de Barbizon. Seus primeiros quadros revelaram uma certa influência da obra de Jean-Baptiste Camille Corot, mas pouco a pouco começou a se diferenciar dele, dando mais importância à cor do que à forma. Dono de uma capacidade surpreendente de observação, Sisley era capaz de captar os matizes mais sutis da luz, habilidade que demonstra em seus quadros das estações do ano.

 

Retratada por Manet - 1872
Berthe Morisot

Nasceu em Bourges, Cher, 14 de janeiro de 1841. Faleceu em Paris no dia 2 de março de 1895 foi uma pintora impressionista francesa. Iniciou a sua formação com os mestres Chocarne-Moreau e Guichard e prosseguiu sob a tutela do pintor Corot. Também teve aulas de escultura com Millet. No ano de 1863 começou a pintar ao ar livre em Pontoise, onde conheceu os pintores Daubigny e Daumier. A esse período de intensa aprendizagem seguiram-se viagens pela Espanha e Inglaterra. Depois de conhecer Manet, posou para ele como modelo e apaixonou-se por Eugênio, irmão do pintor, com quem se casou. Depois de participar da primeira exposição dos impressionistas, em 1874, a pintora iniciou uma série de viagens de estudo pela Itália, Países Baixos e Bélgica. Suas obras foram apresentadas em 1886 em Nova Iorque, e um ano mais tarde na Exposição Internacional de Paris. A obra de Berthe Morisot representa uma reflexão afirmativa da obra de Manet, embora com pinceladas mais longas e suaves, com tendência para a verticalização, numa tentativa de organizar a composição.

 

Auto retrato
Mary Cassatt

Filha de Robert Simpson Cassat (depois, Cassatt), um rico e influente homem de negócios em Pittsburgh, e Katherine Kelso Jhonson, ambos de ascendência francesa, era uma entre sete irmãos (dois morreram precocemente), Mary Cassatt passou a infância entre os Estados Unidos, França e Alemanha. Fascinada desde tenra idade, pelas obras de arte européias, matricula-se, ainda adolescente, na Academia de Artes da Pensilvânia, na Filadélfia. Aos vinte e três anos, decide-se por seguir a carreira de pintora profissional e, indo contra a própria família conservadora provinciana, partiu com uma amiga para a Europa estudar em ateliers particulares de pintores como Charles Chaplin, Thomas Couture e Jean-Leon Gerome, entre outros. Da Itália, envia uma obra para o Salão de Paris pela primeira vez, no ano de 1868, e é aceita. Seu estilo tradicional em pinturas de médio porte retratando figuras de gênero e personagens da literatura lhe permite ser aceita com certa consecutividade até 1874, enquanto ela transita entre Holanda, Bélgica e Espanha, um tempo ao longo do qual ela não consegue o destaque desejado, apesar das aceitações.
Sua frustração será ainda maior a partir de 1874, quando resolve se mudar definitivamente para Paris e enfrentar cara-a-cara a então capital mundial das artes e o concorrido mundo dos pintores profissionais. É recusada no salão de 1875 e nos anos conseguintes, até que é apresentada, em 1878, a Degas, cujas obras lhe fascinaram alguns anos antes. Ele lhe convida para participar da próxima exposição dos Impressionistas, em 1879, a quarta do grupo.

 

François-Auguste-René Rodin

Nasceu em Paris dia 12 de novembro de 1840 Faleceu em Meudon, dia 17 de novembro de 1917, mais conhecido como Auguste Rodin, foi um escultor francês. Apesar de ser geralmente considerado o progenitor da escultura moderna, ele não se propôs a rebelar-se contra o passado. Foi educado tradicionalmente, teve o artesanato como abordagem ao seu trabalho, e desejava o reconhecimento acadêmico, embora ele nunca tenha sido aceito na principal escola de arte de Paris. Esculturalmente, Rodin possuíam uma capacidade única em modelar uma superfície complexa, turbulenta, profundamente embolsa em argila. Muitas de suas esculturas mais notáveis foram duramente criticadas durante sua vida. Eles entraram em confronto com a tradição da escultura da figura predominante, onde as obras eram decorativas, estereotipadas, ou altamente temáticas. Seu trabalho mais original partiu de temas tradicionais da mitologia e da alegoria, modelado o corpo humano com realismo, e celebrando o caráter individual e fisicalidade. Rodin era sensível à controvérsias em torno de seu trabalho, mas se recusou a mudar seu estilo. Sucessivas obras trouxeram aumentos de favores do governo e da comunidade artística.

 

 

Vídeos:
 
http://youtu.be/hjTKNrj11u4  Os impressionistas BBC legendado - completo
        ( Mais de 2 horas ou veja por partes;1;2;3 )
 
 
 
 
 
http://youtu.be/Oz-vCAj-ifU  Mary Cassatt  ( legendado)
 
 
 
 
 
 
 Impressionismo

Nidia Vargas Potsch

No contraste supremo de Beleza e Cor
A linguagem poética é recheada de lembranças.
Matizes multicoloridos pincelam nossas vidas..

Naturza brilha nas cores solares do Impressionismo
E nuances de todos os tipos nos marcam.
Numa cromia de Luz, Paz e Amor...

Onde há luz, a cor está sempre presente.
Vida sem colorido, Alma sem Poesia!

Mensageir@
Rio, Abr/2014
 
 
 
 
Este é o 2º Capítulo que lhes apresento
para o ano de 2014.
O Impressionismo e seus Pintores
Qualquer pergunta ou dúvida, por e-mail, ok?
Até lá e Obrigada, Nídia.
 
 
 
 
Créditos:
Texto e compilações: Nídia Vargas Potsch
Arte, Formatação :
Indriso: Nídia Vargas Potsch

Bibliografia:

1) Apostilas do Colégio Pedro II
(Organizada pelas Profas. de Artes Visuais do Colégio, onde me incluo)
2) Arte Comentada - Carol Strickland, Ph. D
3) Para entender a Arte - Robert Cumming - Ed. Ática.
4) A Arte de ver a Arte - Susan Woodford - Círculo do Livro - Univ. de Cambridge
5) Twenty Names in Art - Alan Blackwood
6) Oa impressionistas - Edouard Manet - Ed, Globo
7) História Geral da Arte - H. W. Janson
8) História da Pintura Ocidental - Juliet Hesle Wood
9) Explicando a Arte - Jô Oliveira e Lucília Garcez


Fontes:
Consultas e Fontes: Wkipédia.
Imagens e textos auxiliares do Google.
Videos - Youtube
Música :
Nikolai_ Lugansky_ Claude_ Debussy _Arabesque

 



Pintura: Angel Esteves - Galícia - Espanha

Agradecimentos:

A todos que contribuíram
para que este trabalho se tornasse possível,
Às duas Amigas e Poetas
Luli Coutinho, Marilda Conceição,
e às Webdesigner, Joice Guimarães e Mara Pontes
Meu profundo reconhecimento e carinho, Nídia.