O FASCINANTE UNIVERSO
DAS ARTES D'ALMA
Nídia Vargas Potsch

 

 


A Fotografia
 
 
No início do séc XIX, as descobertas científicas na área da ótica e da química convergiram para a produção de uma nova forma de arte: a fotografia.
 
 
O NASCIMENTO DA FOTOGRAFIA
 
 Introdução:
 
Fotografia palavra vinda do grego  ("luz"), e grafis ("estilo", "pincel") ou  grafê, e significa "desenhar com luz e contraste", por definição, é essencialmente a técnica de criação de imagens por meio de exposição luminosa, fixando-as em uma superfície sensível.
 
A primeira fotografia reconhecida remonta ao ano de 1826  é atribuída ao francês Joseph Nicéphore Niépce. Contudo, a invenção da fotografia não é obra de um só autor, mas um processo de acúmulo de avanços por parte de muitas pessoas, trabalhando, juntas ou em paralelo, ao longo de muitos anos. Se por um lado os princípios fundamentais da fotografia se estabeleceram há décadas e, desde a introdução do filme fotográfico colorido, quase não sofreram mudanças, por outro, os avanços tecnológicos têm sistematicamente possibilitado melhorias na qualidade das imagens produzidas, agilização das etapas do processo de produção e a redução de custos, popularizando o uso da fotografia.
 
 
 
 
 
 
Primeira Fotografia Permanente
Niépce - 1826
 
 
Quem não gosta de ver e tirar fotos? Fotografar a família, os amigos. os bichinhos de estimação? Registrar os momentos importantes da vida continua sendo a razão da fotografia ser tão popular. Hoje ainda mais pelo uso da câmaras digitais.
 
 
 
 
 
                                               
                                       Praia do Nordeste Brasileiro                                              Aloha
 
                                                                                         ( fotos digitais )
 
 
Para que a fotografia seja artística, o fotografo tem que saber utilizar alguns elementos visuais, tais como: a luz e a sombra, a forma e a cor, o enquadramento e a perspectiva, o ponto de vista e o tema, como também a textura e o foco.
 
Utilizando uma câmera comum: 
Máquina fotografica e materiais sensíveis à luz ( file e papel de revelação ) Seu trabalho se divide em dois momentos: a captação da imagem e a revelação do filme em laboratório ou particular, se Vc. souber revelar.
 
Utilizando uma câmera digital:
Atualmente, a introdução da tecnologia digital tem modificado drasticamente os paradigmas que norteiam o mundo da fotografia. Os equipamentos, ao mesmo tempo que são oferecidos a preços cada vez menores, disponibilizam ao usuário médio recursos cada vez mais sofisticados, assim como maior qualidade de imagem e facilidade de uso.
A simplificação dos processos de captação, armazenagem, impressão e reprodução de imagens proporcionados intrinsecamente pelo ambiente digital, aliada à facilidade de integração com os recursos da informática, como organização em álbuns, incorporação de imagens em documentos e distribuição via Internet, têm ampliado e democratizado o uso da imagem fotográfica nas mais diversas aplicações. A incorporação da câmera fotográfica aos aparelhos de telefonia móvel têm definitivamente levado a fotografia ao cotidiano particular do indivíduo.
 
 
 
 
 
Paisagem - Praia do Morcego  ( Foto digital )
 
Dessa forma, a fotografia, à medida que se torna uma experiência cada vez mais pessoal, deverá ampliar, através dos diversos perfis de fotógrafos amadores ou profissionais, o já amplo espectro de significado da experiência de se conservar um momento em uma imagem.
 

Breve Histórico:
 
A fotografia não é a obra final de um único criador, ao longo da história, diversas pessoas foram agregando conceitos e processos que deram origem à fotografia como a conhecemos. O mais antigo destes conceitos foi o da câmara escura, descrita pelo napolitano Giovanni Baptista Della Porta, já em 1558, e conhecida por Leonardo da Vinci que a usava, como outros artistas no século XVI para esboçar pinturas.
 
O cientista italiano Angelo Sala, em 1604, percebeu que um composto de prata escurecia ao Sol, supondo que esse efeito fosse produzido pelo calor. Foi então que, Johann Heinrich Schulze fazendo experiências com ácido nítrico, prata e gesso em 1724, determinou que era a prata halógena, convertida em prata metálica, e não o calor, que provocava o escurecimento.
 
A primeira fotografia reconhecida é uma imagem produzida em 1826 pelo francês Joseph Nicéphore Niépce, numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo fotossensível chamado Betume da Judeia. A imagem foi produzida com uma câmera, sendo exigidas cerca de oito horas de exposição à luz solar. Nièpce chamou o processo de "heliografia", gravura com a luz do Sol. Paralelamente, outro francês, Daguerre, produzia com uma câmera escura efeitos visuais em um espetáculo denominado "Diorama". Daguerre e Niépce trocaram correspondência durante alguns anos, vindo finalmente a firmarem sociedade.
 
 
 
 
 
 
 
Após a morte de Nièpce, Daguerre desenvolveu um processo com vapor de mercúrio que reduzia o tempo de revelação de horas para minutos. O processo foi denominado daguerreotipia. Daguerre descreveu seu processo à Academia de Ciências e Belas Artes, na França e logo depois requereu a patente do seu invento na Inglaterra. A popularização dos daguerreótipos, deu origem às especulações sobre o "fim da pintura", inspirando o Impressionismo.
 

A Fotografia e a Pintura:
 
"Alguns dos primeiros fotógrafos, principalmente aqueles que utilizavam a Daguerreotipia, trouxeram uma nova visão sobre sombras e imagens de forma que aquela visão retratista da pintura e a expressão da realidade nua e crua sem interpretação e interferência do pintor ficaram restritas as fotografias. E a pintura foi cada vez mais impulsionada pelos estilos dos artistas e pelo estilos das épocas seguintes e anteriores."
 

O IMPACTO DO SURGIMENTO DA FOTOGRAFIA
 
A pintura tradicional foi fortemente abalada pelo aperfeiçoamento da fotografia. Este meio de expressão teve um desenvolvimento técnico algo lento, mas a partir de meados do século XIX passou a constituir um concorrente sério em certos géneros e temas pela perfeição técnica que passa a oferecer: por exemplo, o público passa a ter um retrato bastante satisfatório e verista numa fracção do tempo que qualquer pintor possa prometer. Esta situação provoca duas reações contrárias: os que denotam apego à tradição, passam a nutrir desprezo pela fotografia e rejeitam-na no seu valor expressivo; outro grupo passa a procurar outras vias para a pintura, como foi o caso dos impressionistas.
 

O SURGIMENTO DAS CORES INDUSTRIAIS, EM TUBO.
 
Um dos constrangimentos à actividade dos pintores consistia na dificuldade do fabrico das cores. Parte importante da formação e do trabalho do artistas tinha a ver com essa questão, uma vez que era ele que tinha de conceber, a partir de pigmentos naturais, as tonalidades apropriadas para cada ocasião. Aliás, havia até cores para ricos e cores para menos ricos, conforme a dificuldade da obtenção das cores, de acordo com a lei do mercado. Daí, também, a dificuldade de pintar ao ar livre, uma vez que se tinha de transportar todo um conjunto de apetrechos bastante incomodos. Com o surgimento das cores industriais (anilinas), fornecidas em tubo, essas dificuldades diminuíram bastante, passando a ser possível um outro método de trabalho fora das oficinas.
 
 
 
 
Bisnagas de tintas óleo coloridas
 
 

A NOVA SOCIEDADE INDUSTRIAL, BURGUESA, URBANA, CAPITALISTA
 
Ao contrário das gerações anteriores, a geração que nasceu em meados do século XIX já via as novidades trazidas pela industrialização como algo que fazia parte do seu mundo. O capitalismo imperava, com o consequente preço social é certo, mas também com a sua capacidade de iniciativa, de inovação e de empreendimento. As cidades começaram a responder ao afluxo de gente, reformando os velhos espaços e, sobretudo, ocupando novos lugares. A burguesia dominava mas também se educava e refinava, surgindo grupos abertos à novidade e ao confronto de estilos de vida. A indústria e o setor financeiro, juntos, produziram maravilhas tecnológicas e novas realidades, destacando-se o "caminho-de-ferro." As pessoas adaptaram-se e produziram uma civilização nova.
 
 
 
 
 
                                  
                                             Estação                                                                    Linha do trem
                
                                                                               ( Caminhos de ferro )
 
 

Pintura e Fotografia 
 Artigo Publicado 08/03/2010 Uncategorized 
 
"O Homem sempre tentou reproduzir e fixar aquilo que percepciona. A pintura, como forma de representação da realidade surgiu ainda na pré-história com as imagens rupestres, e acompanhou-nos durante toda a nossa evolução. Há já alguns séculos que é reconhecida como uma das mais sublimes formas artísticas.
No século XIX surgiu a fotografia, que veio impressionar a sociedade pela sua representação extremamente realista das coisas. Durante a segunda metade do século XIX pintura e fotografia opuseram-se; a pintura continuava a ser encarada como arte enquanto que a fotografia não obteve logo esse estatuto, por ser um processo mecânico que captava imagens através de fenómenos físico-químicos. Os fotógrafos eram vistos com técnicos e não como artistas. A pintura por sua vez rompia a barreira da representação ao recorrer à sensibilidade e ao intelecto do pintor.
A fotografia colaborava com a ciência e os seus registos realistas respondiam as novas necessidade sociais. Era inicialmente muito cara e inacessível às classes mais baixas mas este obstáculo estava a ser superado graças às evoluções do processo fotográfico.
Uma classe de pintores, os miniaturistas, especialista em pintar retratos de pequenas dimensões (para que pudessem ser enviados por carta por exemplo), começou a ver a sua actividade reduzida. Alguns, valendo-se da sua enorme destreza técnica, especializaram-se em pintar pormenores minuciosos nas fotografias.
A fotografia era mais rápida, mais realista e permitia a multiplicação de uma única imagem, contudo, não fez com que a pintura perdesse o seu estatuto. A criatividade que os artistas exibiam nos quadros continuava a ser valorizada.
A determinada altura pintura e fotografia começaram a colaborar entre si e a evoluírem uma com a outra.
As técnicas pictóricas passaram a ser mais fluidas, livres e espontâneas uma vez que as reproduções mais fidedignas podiam ser obtidas com a fotografia. Os pintores recolhiam fotografias das paisagens e dos modelos para poderem depois pintá-los no conforto dos seus ateliês. A pintura passou a fazer uma exploração mais plástica dos enquadramentos e assumiu um olhar mais casual em relação aos objectos.
Os cenários dos ateliês fotográficos eram por sua vez frequentemente pintados por artistas da época. Enquanto arte, a fotografia apropriou-se de muitas das temáticas da pintura e foi buscar inspiração a alguns dos quadros mais famosos da história. Seguem-se alguns exemplo:
 
 

 
 

Pintura: Jean Steen, sec. XVII. Foto: Lois Camille d'Oliver, 1856.
 
 
 

Pintura: Coubert, sec. XIX. Foto: Villeneuve, sec. XIX.
 
 
 
 
 
Desenho: Coubert, 1850. Foto: August Belloc, 1855.
 

Helena Almeida é uma artista contemporânea portuguesa cujo trabalho assenta essencialmente em auto-retratos a preto e branco, com intervenções pictóricas. O seus trabalho representa muito bem o modo como fotografia e pintura podem coexistir e estabelecer um simbiose entre si. Seguem exemplos do trabalho da artista:
 
 
    
                                    
Helena Almeida
 
Tipos de Fotografia:

Fotos de Viagens - Fotógrafos profissionais se encaminharam para locais afastados, distantes, documentar as maravilhas encontradas e alimentar a curiosidade do público pelo exótico , estranho. Como exemplo: as pirâmides, esfíngie, a erupção do vulcão, as caraearas do niágara,  que ficavam desse modo acessíveis a todos.Estes fotófrafos formidáveis carregados de equipamentos pesadostrabalhavam  debaixo de sol escaldante ou neve, temperaturas extremas e muitos perigos para apresentar um bom trabalho. Mas nada disso conseguiu espantar esses pioneiros.
 
            
 
 
 
            
             Amazonas - barcaça                              Por do Sol no Pantanal                            Praia  -  Rio de Janeiro
 
 
Fotos de Guerra - Com mais de 7 mil negativos, Matthew Nrady ( 1823-96) trouxe para casa os horrores da guerra civil. Levou consigo uma carroça com os equipamentos que frequentemente foi alvo do fogo do inimigo.
 
 
 
 
 
                                
                                         
                                                                           Fotografias de Guerras
 
 
Fotografia Documental - Jacob Riis (1849 - 1914 ) foi repórter de polícia em Nova York, experimentando diretamente a violência das sórdidas favelas da cidade. Riis publicou diversos trabalhos com chocantes detalhes dos trabalhadores pobres em jornal e num livro, "Como vive a outra metada -1890."  Graças às suas imagens se chegou às primeiras leis de reforma dos codigos de moradia e leis trabalhista.
 
 
                                        
 
 
                                                
                                  Foto de selos brasileiros                                           Conferência do Casino
 
 
Retrato - Nadar ( 1820- 1910) caricaturista francês, começou a fotografar as principais figuras artísticas de Paris em 1853. Seus retratos de personagens conhecidas como Daumier, Corot, Geoge Sand, Sarah Bernard eram mais que apenas rígidos retratos documentais. Ele concebia a pose, fazia a pessoaposar e iluminava a figura de modo a enfatizar seus traços de caráter. Ex. sarah b. a atriz, ele a fez posar dramaticamente envolta em panos. nadar foi dos primeiros a usar a luz elétrica nas fotografias e inventou a fotografia aérea, pairando sobre Paris num balão.
 
 
 
 
 
                                            
 
                                                             
                                                     Eça de Queiroz                                          Sarah Bernard         
 
 
 
 
                                                                
                                             George Sand                                                             Daumier
 
 
Fotos de Arte -  Julia Margaret Cameron ( 1815 - 79)  quis captar nada nenos do que a beleza ideal. Com a idade de 48 anos quando ganhou uma câmara começou a fazer retratos de amigos famosos.. Foi a primeira a ter lentes especiais, que produziam um efeito defoco suave nas suas fotografias de gênero, alegóricas e muias vezes excessivamente sentimentais.
 
 
 
 

OS IMPRESSIONISTAS
 
Os impressionistas não ignoraram os aspectos negativos da nova sociedade instituída, mas também não se manifestaram seus oponentes. Antes participavam nas possibilidades que ela lhes oferece e representam-na amiúde: estações de caminho-de-ferro, piqueniques nos arredores de Paris, as festas e convívios sociais, as ruas das cidades, os momentos de ócio, os bailes, as regatas, os espectáculos nocturnos, as dançarinas, a vida quotidiana da pequena burguesia... Isto é, não só não rejeitam a nova sociedade, como se integram nela e colocam-na nas suas telas. Normalmente, nem sequer formulam juízos condenatórios e, muitas vezes, até manifestam entusiasmo pelas novidades.
 
                                                  
 
 
 
                                               
                     Eliseu Visconto - Moça no Trigal                      Almoço na Relva - Manet
                                                                                                               
 
 
 
Jardins - Monet
 
 
 Leitura complementar para concluir:
 
Artes Visuais: Entre a pintura e a fotografia
Relação dos dois universos é analisada em mestrado que une teoria e produção autoral.
 

Os limites e interações da fotografia com a pintura são o tema da dissertação de mestrado Arte híbrida: entre o pictórico e o fotográfico, de Selma Machado Simão, apresentada, em junho, no Instituto de Artes (IA) da UNESP, campus de São Paulo. A pesquisa, além de gerar uma reflexão sobre a arte resultante da interface entre essas duas esferas da criação visual, inclui produções da própria autora. ?A miscigenação entre uma técnica industrial mecânica, a fotografia, e a artística artesanal, a pintura, gera momentos de grande potencial criativo?, afirma.
 
A pesquisadora aborda o impacto que, no século XIX, a fotografia causou na linguagem pictórica, que se sentiu, então, desobrigada de reproduzir a realidade. A pesquisadora/artista analisa, ainda, as obras de alguns fotógrafos/artistas do passado e do presente. ?Verifiquei também como certas especificidades, como espaço/tempo, perspectiva, luz, cor, suporte e referências são tratadas nesses dois domínios?, diz.
 
Selma realiza uma breve análise dos trabalhos dos artistas Vik Muniz e Cassio Vasconcellos. ?A relação entre a pintura e a fotografia é resolvida por eles como uma relação natural da produção tecnológica de seu tempo, apesar da estrutura dos dois processos diferir profundamente?, afirma.
 
De Vik Muniz são analisadas as obras fotografadas a partir de imagens criadas com diversos materiais, como algodão, açúcar, chocolate, poeira, lixo e diamantes. ?Muniz parte da projeção de uma foto para construir uma imagem por meio de processo pictórico?, comenta Selma. ?O resultado é registrado fotograficamente e volta a ser uma imagem, mas com um novo aspecto, produzido por esse processo híbrido.?
 
A pesquisa se volta também para as séries criadas por Cassio Vasconcellos sobre paisagens marinhas, navios e cavalos, entre outras. ?O artista utiliza a fotografia como objeto original e a submete a diversos processos de manipulação?, comenta. ?Esse procedimento artístico transforma a imagem obtida anteriormente pelo meio mecânico em um trabalho plástico ou uma instalação.?
 
A série de trabalhos práticos realizados pela própria autora foi intitulada São Paulo ? do passado da câmera ao presente do pincel. A artista escolheu reproduções fotográficas do centro antigo da cidade como tema para suas produções plásticas, gerando objetos que estabelecem relações entre o público e a cidade. ?A partir das fotos, pelo uso de diversas técnicas, como serigrafia e transfers, realizei uma arte resultante da mistura de dois meios?, esclarece.
 
Por um lado, de acordo com Selma, a pintura introduz na fotografia características como textura, falta de nitidez, tons e contrastes específicos, cor pura absoluta, deformação, desarticulação e manipulação das formas. ?O meio fotográfico, por sua vez, coloca na pintura os elementos que constituem sua especificidade: documento objetivo, fragmento da realidade, registro instantâneo, congelamento do movimento, retenção do tempo em imagem e memória do mundo?, diz.
 
Essa mistura pode apontar um importante caminho de reflexão, já que, hoje, a tecnologia digital invadiu o universo fotográfico e outros processos de produção imagética, tornando o hibridismo uma característica generalizada.
Oscar D?Ambrosio
 
 
Fotografia
Nídia Vargas Potsch
 
 
Vai, Amigo, dá um click, é tão simples!
Registre os momentos importantes da sua vida.
Ver o resultado aguça a curiosidade...
 
A imagem de luz e contrastes
Aos poucos vai se tornando popular
Hoje, essencial num celular, tablet, computador...
 
Ver e tirar fotos, breve ocasião fixada eternamente.
 Fotografia, magia que capta um instante único!
 
@Mensageir@
MAR/2014

* * *
 
 
 
Este é o 1º Capítulo que lhes apresento
para o ano de 2014.
A Fotografia e a Pintura
Qualquer pergunta ou dúvida, por e-mail, ok?
Até lá e Obrigada, Nídia.
 
 
 
 
 
Créditos:

Texto e compilações: Nídia Vargas Potsch
Arte, Formatação : Marilda Ternura
Indriso:  Nídia Vargas Potsch
 
Bibliografia: 

1) Apostilas do Colégio Pedro II
(Organizada pelas Profas. de Artes Visuais do Colégio, onde me incluo) 
2)  Arte Comentada - Carol Strickland, Ph. D
3) Para entender a Arte - Robert Cumming - Ed. Ática.
4) A Arte de ver a Arte - Susan Woodford - Círculo do Livro - Univ. de Cambridge
5) História  Geral da Arte  -   H. W. Janson
6) História da Pintura Ocidental - Juliet Hesle Wood

Fontes: 
Consultas e Fontes: Wkipédia. 
Imagens e textos auxiliares do Google.
Videos - Youtube 
Música : 
 
 
 
 
 
 
 
Pintura: Angel Esteves - Galícia - Espanha
 
    

Agradecimentos:

A todos que contribuíram
para que este trabalho se tornasse possível,
Às duas Amigas e Poetas
 Luli Coutinho, Marilda Conceição,
e às Webdesigner,  Joice Guimarães e Mara Pontes
Meu profundo reconhecimento e carinho, Nídia.
 
 
 

 

 

 

Imagens Jpg

Tutorial Gallery Mara Pontes

 

 

 

VOLTAR