Miguelangelo di Ludovico
Buonarroti Simoni
( 1475 - 1564 )
 
Miguelangelo
 
 
 
 
 
 
Nasceu em 6 de Março de 1475. Seu pai era um homem violento e sua mãe morreu quando ele tinha apenas seis anos, sendo entregue aos cuidados de uma ama. Não se interessava pelos estudos e gostava apenas de desenhar, o que desagradava muito seu pai que acreditava ser uma vergonha ter um artista na família, entretanto acabou vencido pela obstinação de Miguelangelo que aos 13 anos torna-se aprendiz de Domenico, consagrado pintor de Florença.
 
 
Copia da Certidão Original de Batismo
 
 
Esta fase não durou muito tempo e aproximadamente um ano depois, passou a frequentar a escola de escultura mantida por Lourenço Médici, riquíssimo banqueiro e protetor das artes em Florença.
 
Miguelangelo, dono de um temperamento irônico e hostil fez muitos inimigos e ao ridicularizar o trabalho de um companheiro leva um soco no rosto que deforma seu nariz para sempre. Revoltado por acreditar que a beleza é fundamental passa achar que o mundo não entende sua genialidade e por isso o inveja.
 
Em 1494 morre Lourenço Médici (o magnífico) e Miguelangelo deixa o Palácio e parte para Veneza.
 
Tumba de Lourenço de Médici
 
 
 
Em 1498 esculpe a Pietá. Aliás o tema da Pietá é uma constante em seu pensamento e diferentes obras foram realizadas sobre este tema.
 
Volta a Florença e, 1501 e esculpe David. Nesta mesma ocasião começa a pintar e define sua obra dizendo: " Uma pintura é tanto melhor quanto mais se aproxima do relêvo."
 
Já em Roma, o Papa Júlio II, encomenda em 1508  a decoração da Capela Sistina. Onde decide pintar não só o teto como também as paredes. A obra é concluída em 1512 e o resultado é surpreendente. A cena em que retrata a Criação do Homem, onde Deus estende sua mão para dar vida a Adão é até hoje apreciada por milhares de pessoas de mundo todo e uma das mais conhecidas, inclusive em propagandas.
 
Com problema na vista devido ao grande esforço resolve descansar por um tempo, porém, este descanso não dura muito e logo esculpe Moisés, considerado sua mais perfeita obra.
 
Deixa Florença para sempre em 1534 e volta a Roma onde pinta os afrescos do Juízo Universal ( 1536 - 1541 ) Aos 70 anos pinta afrescos da Capela Paulina que termina em 1550. Foram suas últimas pinturas, porém não seu último trabalho. Dedica-se então a aqrquitetura projetando o capitólio ( onde se reúne o Senado )
 
Aos 89 anos ainda dedica-se a escultura, sua maior paixão, até que impossibilitado de prosseguir e acamado, faz um testamento e pede que seja levado de volta depois de morto para Florença para que lá seja enterrado. Morre em Roma em fevereiro de 1564 aos 89 anos.
 
 
 
Algumas das suas Principais Obras:
 

- Afrescos do teto da Capela Sistina
 
- A criação de Adão
 
- Julgamento Final
 
- Martírio de São Pedro
 
- Conversão de Saulo
 
- Cúpula da Basílica de São Pedro
 
- Esculturas: Davi, Leda, Moisés e Pietá
 
- Retratos da família Médici
 
- Livro de poesias: Coletânea de Rimas
 
- A Madona dos degraus (relevo)
 
 
 
Pinturas em afrescos:
 
 
 
Decoração do teto da Capela Sistina - (1508 - 1512 )
 
 
Exterior da Capela Sistina
 
 
Diferentes detalhes  de Afrescos da Capela Sistina:
 
Nascimento de Adão.
 
 
Criação de Eva
 
 
Pecado Original e Expulsão do Paraíso
 
 
Criação do Sol e da Lua
 
 
 
Ex. de um dos nus da Capela Sistina
 
 
Cap. Sistina - Fig Feminina Sibila Cuméia
 
 
Deus separando a Luz das Trevas
 
 
Deus separando a Terra da Água
 
 
Dilúvio Universal
 
 
Noé embriagado
 
 
 
Detalhe de Cristo - Juízo final
 
 
 
 
Afresco do Juízo Final  - ( 1536 - 1541 )
( restaurado )
 
 
 
 ( Detalhes  de  antes - 1     e   durante - 2   a restauração )
 
                 1            2 
                       
O Juízo Final é um afresco de Miguelangelo pintado na parede atrás do Altar  da Capela Sistina. É uma visão do artista, uma representação e concepção inspiradas em narrativa Bíblica.
 
A grandiosidade da personalidade de mestre Miguelangelo se revela aqui, com toda sua potência, devido sobretudo à concepção e a força de realização da obra.
 
Aqui, Michelangelo não expressa vigorosamente o conceito de Justiça Divina, severa e implacável em relação aos condenados. O Cristo, parte central da composição, é o Juiz dos eleitos que sobem ao Céu por sua direita, enquanto os condenados, abaixo de sua esquerda, esperam Caronte e Minos. A ressurreição dos mortos e os anjos tocando trombetas completam a composição.
 
 
                                              
Ressurreição dos mortos
 
 
A Salvaçao - Anjos tocando trombetas.
 
 
* * *
 
 
Afrescos da Capela Paulina -  1550
( sua última obra )
 
 
                             
                             Crucificação de São Paulo                               Conversão de Saulo
 
 
 
Capela Paulina  -  Interior
 
* * *
 
 
 
Esculturas Célebres:
 
 
Ao ser perguntado sobre como fizera a escultura de Davi (com quase 4,5 metros em um só bloco de marmore, guardada na academia Artes de Florença), ele disse: Foi fácil, fiquei um bom tempo olhando o marmore até nele enxergar o Davi. Aí, pequei o martelo e o cinzel, e tirei tudo o que não era Davi!
 
Como faço uma escultura? Simplesmente retiro do bloco de mármore tudo que não é necessário.
 
 
 
La Pietá - 1498 Catedral de São Pedro, Roma, Itália
 
 
                                                   
Rosto e corpo de Cristo - detalhes  da Pietá
 
 
Detalhe da cabeça da Virgem
 
 
 
 
                
David  -  1501 -  1504  -   Florença, Itália.
 ( Detalhes da mão e da cabeça )
 
 
 
   
Moisés -  1513 - 1515
Igreja de São Pedro, Roma - Itália.
( Detalhe da cabeça )
 
Obs: A Pietá foi atingida por um desiquilibrado mental, em seu nariz mas foi restaurada  por um brasileiro chamado Rodrigo de Campos.
 
A perfeição de Moisés era tanta que ao terminar a escultura, Miguelangelo queria falar com ela e disse:  " Parla!"   Como a estátua não falou, ele deu uma martelada em seu joelho,  deixando ali um sinal, que pode ser visto até hoje.
 
 
* * * * *
 
 

Algumas Obras de Arquitetura:

    Capela de Leão X (1504)
 ? Fachada da Basílica de São Lourenço (não realizada, 1520?34)
 ? Sacristia Nova (1520?34)
 ? Biblioteca Laurenciana (1523?59)
 ? Fortificações de Florença (1528?29)
 ? Praça do Capitólio (1538)
 ? Palácio Farnese (1546)
 ? Basílica de São Pedro (1546?1564)
 ? Basílica de São João dos Florentinos (não realizada, 1559?60)
 ? Capela Sforza (c. 1560)
 ? Porta Pia (1561?65)
 ? Basílica de Santa Maria dos Anjos e dos Mártires (1563-66)
 
 
Projeto da Praça do Capitólio
 
 
Basilica de S. Pedro - 1450
 
Praça, Basílica e o Obelisco - Hoje.
 
 
 
Planta baixa da Basílica de São Pedro
 
 
                                               
( Basilica de São Pedro em dia ensolarado e vista do Castelo Santo Angelo )
 
 
 
 
 
Sacristia Nova
 
A Sacristia Nova da Basílica de São Lourenço, de Florença, é um dos principais trabalhos de Michelangelo como arquiteto e escultor. Hoje faz parte do complexo de museus das Capelas dos Médicis.
 
Feita em meio a acontecimentos tão tumultuosos, a Sacristia Nova é uma obra bem inovadora. Partindo da mesma planta da Sacristia de Brunelleschi (também conhecida como Sacristia Velha), Michelangelo divide o espaço de forma bem complexa, tratando as paredes com planos em vários níveis, com plena liberdade. Sobre esses planos acrescentou elementos clássicos como arcos, pilastras, balaústres e capitéis dispostos em figuras e esquemas completamente novos e harmoniosos. Também a cúpula bem arredondada foi uma novidade e hoje se vê como uma antecipação da cúpula da Basílica de São Pedro que foi projetada por Michelangelo em idade avançada, 30 anos depois da Sacristia. Originariamente Michelangelo havia concebido um monumento isolado no centro da sala, mas, depois de uma discussão com o contratante, mudou, tratando de colocar as tumbas dos Capitani (os dois Duques) encostadas no centro das paredes laterais, enquanto as dos Magnifici (Lourenço e Juliano), ambas encostadas à parede do fundo, defronte ao altar.
 
 
 
Porta Pia
( Estudo: carvão, tinta castanha, aguada castanha - 1561 )
 
 
 
Algumas Esculturas:
 
 
Cabeça de fauno (perdida, c. 1488)
Madonna da escada (c. 1491)
Centauromaquia (c. 1492)
Crucifixo (atribuição, 1492)
 
Hércules (perdido, 1492)
São Petrônio (1494?95)
São Próculo (1494?95)
Anjo (1494?95)
 
Cupido adormecido (perdido, 1496)
Baco (1496?97)
Cupido em pé (perdido, c. 1497-1498)
 
Pietà (1499?1500)
David (1501-04)
Madonna de Bruges (1501?04)
 
São Paulo (1503?04)
São Pedro (1503?04)
Pio (1503?04)
Tondo Taddei (c. 1503)
Tondo Pitti (c. 1503)
 
São Mateus (c. 1505)
Tumba de Júlio II (1503-45)
Moisés (c. 1513?15)
 
Escravo rebelde (1513?16)
Escravo moribundo (1513?16)
Jovem prisioneiro (1520-23)
 
Atlas (1520-23)
Prisioneiro barbado (1520-23)
Prisioneiro despertando (1520-23)
 
Raquel (1545) e Lia (1545)
Estátua de Júlio II (perdida, 1508)
Gênio da Vitória (c. 1532?34)
 
Cristo Redentor (1519?20)
Tumba de Giuliano di Lorenzo de' Medici (1521-26)
 
Tumba de Lorenzo di Piero de' Medici (1521-26)
Virgem e o Menino
 
Apolo ou David (c. 1530)
Jovem ajoelhado (c. 1530-34)
Busto de Brutus (1540)
Pietà Palestrina (atribuição duvidosa, 1550)
 
Pietà de Florença (c. 1550)
Pietà Rondanini (1552?64)
 
 
 
 
       
Pietàs:
       
                                                        
                                          Rondanini                                       Palestrina
 
 
                                                       
                         Detalhe da Pietà de Florença                Pietà de Florença
 
( Nesta escultura, Pietà de Florença, podemos observar a perda da serenidade substituída por expressividade e emoção. )
 
 
                                               
                     Detalhe Menino            A  Virgem e o Menino           Rosto da Virgem
                                                                  (  Madona de Bruges )
 
 
A Virgem da Escada - alto relevo
 
 
 
                                      
            Baco  e  Sátirus            Detalhe de Satirus                               Busto de Brutus
 
 
 
                                                                 
                                 São Paulo - 1504                                      São Pedro  -  1501
 
 
 
 
                                                           
                                              São Petrônio                                   São Próculo
 
 
 
                                                                   
                              Cristo carregando a cruz                          Anjo com candelabro
 
 
 
Mausoléus:
 
 
                                     
                     Tumba de Giuliano de Médici                   Tumba de Lorenzo de Médici
 
 
Túmulo de Julius II
( Onde se encontra a escultura de Moisés )
 

 
Batalha dos Centauros
(relevo em mármore)
 
 
 
                                         
                           Madona Tondo Pitti                           Sagrada Família Tondo Doni
 
 
 
Papa Júlio II
 
 
 
Estudos em Carvão:
 
 
   Castigo de Tito
 
 
 
Pietà
 
 
Queda de Faetonte
 
 
Rapariga de Joelhos
 
 
Obra inacabada
Sepultamento
 
 
 
Poesias - Sonetos e Madrigais:
 
 
Na opinião de Alma Altizer Michelangelo foi um poeta extraordinário, e em seus melhores momentos foi capaz de expressar uma poderosa unidade de visão que os torna ao mesmo tempo rústicos e sofisticados, arcaicos e contemporâneos, obscuros e cristalinamente claros. Buscava com eles poder expressar "os movimentos internos de sua alma". Para a pesquisadora sua força deriva de sua capacidade de condensar nos poucos versos de suas formas favoritas, o soneto e o madrigal, uma vasta gama de significados e uma rica pletora de imagens poéticas, penetrando fundo na dialética inerente à vida humana. Nos cerca de trezentos poemas e fragmentos que chegaram aos dias de hoje é recorrente a exploração de antíteses - imaginação e realidade, criação e destruição, sujeito o objeto, espírito e matéria, amante e amado, dor e prazer, vida interior e exterior, beleza e feiúra, vida e morte.
 
 
Madrigal composto para  Vittoria Colonna:
 (tradução livre - Miguelângelo)
 
 
 
Non pur d'argento o d'oro  -  Nem só de prata ou ouro
 
Non pur d'argento o d'oro
vinto dal foco esser po' piena aspetta,
vota d'opra prefetta,
la forma, che sol fratta il tragge fora;
tal io, col foco ancora
d'amor dentro ristoro
il desir voto di beltà infinita,
di coste' ch'i' adoro,
anima e cor della mie fragil vita.
Alta donna gradita
in me discende per sì brevi spazi,
c'a trarla fuor convien mi rompa e strazzi.
 
Nem só de prata ou ouro
fusos no fogo, ainda espera ser cheia,
oca da obra feita,
a fôrma, que só a revela ao quebrar;
eu também, a queimar
de amor, por dentro eu forro
o anelo oco pela beleza infinda
daquela que eu adoro,
alma e coração desta frágil vida.
Nobre dama, e bem-vinda,
em mim desce por tão finos espaços,
que a extraí-la me rompo em pedaços.

 
* * *
 
Pensamentos de Miguelangelo:
 

"Que seja doce a dúvida a quem a verdade pode fazer mal."

"O amor é a asa veloz que Deus deu à alma para que ela voe até o céu."
 
"Se as pessoas soubessem o quão duramente eu trabalhei para obter a minha habilidade, ela não pareceria tão maravilhosa depois de tudo."
 
 
 
Conclusão:
 
Michelangelo foi o primeiro artista ocidental a reivindicar consistentemente sua independência criativa, e o prestígio de que desfrutou em vida, tornando-o um iluminado, um ser tocado pelo divino, desencadeou um processo de inversão das hierarquias do sistema de produção e consumo de arte que culminou na visão romântica do artista como um gênio isolado, incompreendido, semilouco, preocupado apenas com a expressão de si mesmo, atormentado por anelos insatisfeitos pelo infinito, à frente de seu tempo, perseguido por filisteus insensíveis e absolutamente livre de obrigações sociais ou morais para com seu público.
 
Michelangelo foi um dos poucos artistas do mundo erudito que puderam penetrar na cultura popular e criar um folclore a seu respeito. Ele deu o nome a uma quantidade de pessoas, estabelecimentos de ensino, empresas e produtos comerciais de vários tipos, incluindo uma mão biônica. É nome de um vírus de computador, de um grande transatlântico, de um asteróide, de uma cratera no planeta Mercúrio, de uma das Tartarugas Ninjas, e sua figura foi retratada no cinema, sendo considerado um clássico o filme The Agony and the Ecstasy (1965), dirigido por Carol Reed e com Charlton Heston no papel do artista.
 
 
 
Vídeos:
( Para complementarem o texto acima )
 
 
 
 
 
 
 
 http://youtu.be/i1AYEEatDK0     Pintor, escultor e arquiteto
 
http://youtu.be/i0VLtAnlYfo         Basilica de São Pedro
 
http://youtu.be/7Oxh1hnxW_A   Capela Sistina
 
 
* * *
 
 

Créditos:


Texto e compilações: Nídia Vargas Potsch
Arte, Formatação : Auber Fioravante Jr.
 

Bibliografia: 


1
) Apostilas do Colégio Pedro II

(Organizada pelas Profas. de Artes Visuais do Colégio, onde me incluo) 
2) História Mundial da Arte - O Renascimento - Bertrand Editora. Vol 3

3) Arte Comentada - Carol Strickland, Ph. D

4) Para entender a Arte - Robert Cumming - Ed. Ática.

5) Twenty Names in Art - Wayland

6) Grandes Artistas - Miguelangelo - David Spence

7) Famous Artists Miguelangelo- life and Work


Fontes: 

Consultas e Fontes: Wikipédia. 
Imagens e textos auxiliares do Google.
Videos - Youtube

Música : Renascentista.
 
 
 
Créditos
 
Misted Imagem: Elaine Pauvolid
Tube Misted e Arte
Auber Fioravante Júnior
Musica Wav Renascentista

 

VOLTAR