O FASCINANTE UNIVERSO DAS ARTES D'ALMA
Nídia Vargas Potsch

A ARTE BIZANTINA:
 


"A meditação e a contemplação, através da oração,

 nos coloca em sintonia com Deus!"

                                               NPotsch

 

Arte Bizantina:


Histórico:

 

A Arte Bizantina floresceu no reinado de Justiniano( 527-565), originando-se de um lado, da arte helenística e, de outro, das tradições milenares dos países da Àsia Menor. Formada em, Bizancio, mais tarde Constantinopla, e, depois, Istambul, espalhou-se nos Balcâs, na Rússia, influenciou a arte dos turcos e, até certo ponto a arte da Europa Ocidental.  A Arte Bizantina consistiu numa mistura de influências helênicas, romanas, persas, armênias e de várias outras fontes orientais. O termo Arte Bizantina refere-se à expressão artística de caráter religioso dos primórdios do cristianismo no Império Bizantino. Como era uma arte dirigida pela religião, ao clero cabia, além das suas funções, organizar também as artes, tornando os artistas, mero executores.

Com fases alternadas de crise e esplendor, a arte bizantina se desenvolveu do Século 5º, com o desaparecimento do Império Romano do Ocidente enquanto unidade política, até 1453, quando Constantinopla, capital do Império Romano do Oriente, instituída sobre a antiga cidade grega de Bizâncio, foi ocupada pelos exércitos otomanos.

 

Império Romano do Oriente

Império Romano do Oriente
Ano 550 - Justiniano

Mapa Bizantino - 1204 -  Sec XIII  

Imperio Romano do Oriente  -  3D -
SUA EVOLUÇÃO  ( Observem as mudanças )

 

Arte e Religião:

A Arte Bizantina está intimamente relacionada com a religião, como dissemos anteriormente, obedecendo a um clero fortalecido que possui, além das suas funções naturais, as funções de organizar também as artes, e que consequentemente relega os artistas ao papel de meros executores. Por este motivo, quase sempre estreitamente vinculada à religião cristã, a Arte Bizantina teve como objetivo principal exprimir o primado do espiritual sobre o material, da essência sobre a forma, e a elevação mística decorrente dessa proposição.   O aspecto grandioso das figuras frontais, vigente nas primeiras obras da Arte bizantina, deu lugar a formas que, embora ainda solenes e majestosas, mostravam-se mais vivazes e variadas.   Seu caráter inconfundível decorre sobretudo da combinação de elementos tão diferentes como o grego, o persa e o romano, diversidade que prevaleceu sobre fatores de ordem técnica. 
           

Um dos ícones bizantinos mais difundido entre nós  

Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
fundo em ouro.

Com a invasão dos povos bárbaros ao longo do tempo, o imperador Constantino I transfere a capital do império para Bizâncio, antiga cidade grega renomeada mais tarde para Constantinopla. Neste local reúnem-se toda uma série de fatores que impulsionam a ascensão da nova expressão artística. A localização de Constantinopla permite à Arte bizantina a absorção de influências vindas de Roma, da Grécia e do Oriente e a interligação de alguns destes diversos elementos culturais num momento de impulso à formação de um estilo repleto de técnica e cor. Também o imperador, assente num regime teocrático, possui poderes administrativos e espirituais. Sendo o representante de Deus na Terra, é convencionalmente representado com uma auréola sobre a cabeça e não é raro encontrar um mosaico onde esteja representado com a esposa ao lado da Virgem Maria e o Menino Jesus.


A Pintura:


A Pintura Bizantina e o Ícone.


No século V, em Bizâncio, emergiu um novo império cristão que duraria mil anos, criando uma nova forma de arte, nascida do Cristianismo. Em Roma, nas antigas catacumbas cristãs, há uma série de murais que datam das perseguições aos cristãos nos séculos III e IV. São os primeiros exemplos de pintura no Período Bizantino.

Ícone de Nossa Senhora com o Menino

No século IV, o imperador Constantino reconheceu o culto livre aos cristãos do Império Romano. A arte cristã  primitivia evoluiu então para a Arte Bizantina. O mosaico foi a característica principal do período e suas características de criação influenciaram mais tarde a arte gótica. Os ícones também marcaram esta primeira etapa da arte bizantina...

Ícone de Nossa Senhora com o Menino  todo em folha de ouro

Nos séculos VIII e IX, o mundo bizantino foi dilacerado pela questão iconoclasta, uma controvérsia sobre o uso de pinturas ou entalhes na vida religiosa. Toda representação humana que fosse realista poderia ser considerada uma violação ao mandamento de não adorar imagens esculpidas. O imperador Leão III proibiu qualquer imagem em forma humana de Cristo, da Virgem, santos ou anjos. Como resultado, vários artistas bizantinos migraram para o Ocidente. Em 843, a lei foi revogada.
 

Mosaico
 
 
O Mosaico:
 
 
O mosaico é a expressão máxima da arte bizantina e, não se destinando somente a decorar as paredes e abóbadas serve também de fonte de instrução e guia espiritual aos fiéis, mostrando-lhes cenas da vida de Cristo, dos profetas,e dos vários imperadores. Plasticamente, o mosaico bizantino não se assemelha aos mosaicos romanos; são confeccionados com técnicas diferentes e seguem convenções que regem também os afrescos. Neles, por exemplo, as pessoas são representadas de frente e verticalizadas para criar certa espiritualidade; a perspectiva e o volume são ignorados e o dourado é utilizado em abundância, pela sua associação a um dos maiores bens materiais: ouro.
 
 
 
soldado                                                    Imperador Justiniano
 
Mosaico de Jesus Cristo
 
 
Afrescos:
 
Variavam de acordo com o local. Cada qual no seu estilo próprio.

   
 
 
Manuscritos:
 
Numerosos manuscritos ilustrados.
 
 
 
 
Arte em relevo:
 
Era muito praticada. Ex: sarcófagos, lousas, capitéis, objetos de marfim, ourivesaria, etc.
 
O esmalte atingiu alto grau de refinamento técnico, sendo a técnica denominada “closoinné” muito utilizada. Durante o Império Bizantino, as jóias eram muito valorizadas. Usadas para adornar roupas, sapatos, cabelos e diversas partes do corpo (pescoços, orelhas, cinturas, dedos e braços). Tanto homens como mulheres faziam uso de cintos, fivelas e broches adornados com filigrana e arabescos em ouro, pérolas e esmalte. Constantinopla estava em uma posição privilegiada no mapa econômico e cultural. A joalheria nessa época utilizou gemas trazidas por mercadores de regiões como o Golfo Pérsico, Ásia, África, entre outros. As principais gemas utilizadas foram as pérolas e safiras.
 
 
 
        
 
 
         
 
 
 
Tapeçarias:
 
Suntuosos estofamentos em seda, tecidos e bordados.

  
 
 
    
 
   olho grego                          acabamento em franjas
 
 
 
A Arquitetura:

A arquitetura teve um lugar de destaque, operando-se nela importantes inovações. Foi herdeira do arco, da abóbada e da cúpula, mas também, do plano centrado, de forma quadrada ou em cruz grega, com cúpula central e absides laterais.
 
 
 
 
A expressão artística do período influenciou também a arquitectura das igrejas. Elas eram planejadas sobre uma base circular, octogonal ou quadrada rematada por um sistema de cúpulas, criando-se edifícios de grandes dimensões, espaçosos e profusamente decorados. As funerárias e os batistérios eram no mesmo estilo.  Havia uma típica ambientação interior - a iluminaçãodifusa era realçada por esculturas, por pintura mural e mosaicos - que é a manifestação mais genuína binzantina.
 
Eles possuíam três tendências:
 
- Naturalista - modelos inspirados em romanos clássicos.
 
- Estilização expressionista - inspirados na decoração popular.
 
- Decoração pictórica - Seu conteúdo era espiritual. O interior dos templos recebia: mármores e mosaicos como revestimento de paredes e chão; e, pintura à ouro, denominadas ícones.
 
 
 
A Catedral de Santa Sofia:
 
A Catedral de Santa Sofia é um dos grandes triunfos da técnica bizantina. Projectada pelos arquitectos Antêmio de Tralles e Isidoro de Mileto, ela possui uma cúpula de 55 metros apoiada em quatro arcos plenos. Esta técnica permite uma cúpula extremamente elevada a ponto de sugerir, por associação à abóbada celeste, sentimentos de universalidade e poder absoluto. Apresenta pinturas nas paredes, colunas com capitel ricamente decorado com mosaicos e chão de mármore polido.

 

A Escultura:


Este gosto pela decoração, aliado à aversão do cristianismo pela representação escultórica de imagens (por lembrar o paganismo romano), faz diminuir o gosto pela forma e consequentemente o destaque da escultura durante este período. Os poucos exemplos que se encontram são baixos-relevos inseridos na decoração dos monumentos. Por isso temos poucos exemplares.

 

       

 

Vestuários:

   

 

Túnicas de luxo

Túnica - Artigo básico do vestuário bizantino. Para as classes inferiores, era a peça de trabalho quotidiano. Para o classes mais altas era peça interna, para um dos vestuários mais ricos da história.

A túnica era uma derivação do antigo romano túnica talaris, ou túnica até aos tornozelos. Elas eram justas na manga e soltas no corpo. O comprimento variava dos tornozelos ates o joelho, eram presas por um cinto fino em volta da cintura. A manga possui comprimentos variados de acordo com a classe do usuário e condições. Os principais tecidos linho, um tipo de linho felpudo, lã. A Seda também era usada nesta vestimentas. As túnicas eram tecidas individualmente e grande parte das decorações eram feitas no tear. As cores mais encontradas nos ornamentos decorativos são as seguintes: naturais, acobreados, marrom escuro e claro, amarelo, ouro, rosa, vermelho, luz e azul escuro, azul cobalto, aqua, verde escuro e claro, amarelo esverdeado, laranja, coral, roxo e preto.


 

Túnicas variadas  

   

cabeças femininas                              calçados                                cabeças masculinas

 
Outras Obras:
 
Os reis magos
 
  
interior de Catedral                                                        afresco


 

 

mosaicos

 

O Estilo Bizantino:

Serviu de inspiração para inúmeras igrejas. Ex: A Igreja de S. Marcos, em Veneza, que possui cúpulas e mosaicos do sec. XI
As igrejas e as obras artísticas Bizantinas tinham a intenção de mostrar a suntuosidade e grandiosidade do oriente para os povos ocidentais.

 

**************************

A Oferenda
Nídia Vargas Potsch


Portais azuis da imensidão oceânica,
Cujas trancas se abrem num sonhar
Vestais munidas de óleo sagrado
Executam ritual p'ra alma revigorar.

Que haja candura nessas ablações,
Para que, em oração, possa acalmar
O que só o mar pode, de todo, limpar
Cercar de clareza e luz os corações.

Tristemente e só, navego à procura
Da rima especial que minguém tem,
Poesia, verbo, repletos de ternura...

Faço uma oferenda a certo alguém
Que causa espanto, mas também jura,
Alegrar meus dias como lhe convém...

@Mensageir@
Rio, 10/02/2010


************************

 

Aconselho vcs. a reverem o belo trabalho da Marly Caldas sobre Istambul:

http://www.lulicoutinho.com/atividades_culturais_2011/turismo_viagens_virtuais/istambul/istambul.htm

 

Vídeos do Youtube para complementar
o que foi dito acima.


A Arte Bizantina
          http://youtu.be/Okcinx3AOks                

  Hist. de Bizâncio - CONSTANTINOPLA
http://youtu.be/geALA9RVkMQ

Sensibilidade e arte Bizantina
http://youtu.be/V_JdazclPEc

Ravenna Bizantina ( falado espanhol)
http://youtu.be/pIMLPsg0uiw    

Ravena San Vitale
http://youtu.be/Y-pLg2QAxuI

Vídeo com 9:58 min. Justiniano - 6° SEC - Ravenna ( inglês)
http://youtu.be/Y-pLg2QAxuI

Justinianio I
http://youtu.be/AffmfrVngt0

Dinastina de Justiniano
http://youtu.be/L-pcGUIzeak

Canto gregoriano -  AVE MARIA
http://youtu.be/d5p_U8J0iRQ 

*******************

 Se desejar ver mais (existem um grande número deles para serem vistos)
basta acessar o youtube em Arte Bizantina.
 
Espero que tenham gostado do Esplendor da Arte Bizantina.
Até uma próxima viagem ao encontro dos Primórdios Idade Média.
E daí em diante começaremos o desfile dos Pintores e suas Escolas de Pintura!
Qualquer pergunta ou dúvida, por e-mail, ok?
Obrigada, NVP.     
 
***********************
Créditos:
Texto e compilações:  Nídia Vargas Potsch
Arte  e Molduras:   Marilda Conceição / Joice Guimarães

Música: Salve Rainha - Canto Gregoriano
Imagens:  Google.
Vídeos: Youtube

Bibliografia: 
1) Apostilas do Colégio Pedro II - (Organizada pelas Profas. de Artes Visuais do Colégio, onde me incluo)
2) História Mundial da Arte - Bertrand Editora. Vol 2

Fontes:
www.planetaeducacao.com.br
Consultas e Fontes: Wkipédia. 
Imagens e textos auxiliares do Google.
Videos - Youtube
     
Agradecimentos:
Às três Amigas e Poetas: Luli Coutinho, Marilda Conceição e
à Webdesigner Joice Guimarães; e,
a todos que contribuíram para que este trabalho se tornasse possível.
Meu profundo reconhecimento e carinho, Nídia.

 
 
     

Pintura: Angel Esteves - Galícia - Espanha
 

 

 

VOLTAR