O FASCINANTE UNIVERSO
DAS ARTES D'ALMA - 2012

Nídia Vargas Potsch

 
 
 
O Renascimento
( Parte - 1 )
 
 
 

OBS: (Para melhor assimilação e entendimento, assim como simples recordação, dividi este trabalho em quatro partes, a saber: junto com a primeira parte seguirão os três primeiros pintores citados abaixo. E com as demais partes, os próximos pintores da lista.. ) NVP.

 
 
 
RENASCIMENTO, Renascença ou Renascentismo são os termos usados para identificar o período da História da Europa que foi marcado por transformações em muitas áreas da vida humana, que assinalam o final da Idade Média e o início da Idade Moderna. Apesar destas transformações serem bem evidentes na cultura, sociedade, economia, política e religião, caracterizando a transição do feudalismo para o capitalismo e significando uma ruptura com as estruturas medievais, o termo é mais comumente empregado para descrever seus efeitos nas artes, na filosofia e nas ciências.

Chamou-se " RENASCIMENTO" em virtude da redescoberta e revalorização das referências culturais da antigüidade clássica, Grécia e Roma, que nortearam as mudanças deste período em direção a um ideal humanista e naturalista.

 

 

O homem vitruviano de Leonardo da Vinci sintetiza o ideário renascentista: humanista e clássico.

 

Na Itália, no início do Séc.XV, as pessoas começaram a se interessar mais pela arte e a aprendizagem. Os Artistas faziam experiências e levantavam questões em vez de seguir o estilo imposto pela tradição. Os Pintores começaram a modificar seus quadros cada vez mais, tornando-os realistas. Interessavam-se essencialmente pelas obras de arte criadas nas antigas Grécia e Roma, pelo que essa Época específica ficou conhecida por Renascimento, que significa reaparecimento, um renascer.

 
Mapas da Época:
 
 
 
 
 
 
 
Florença, localizada abaixo em azul.
 
 
 
 
Nos Primórdios do Renascimento
 
 
Nos primórdios do Renascimento, o centro das artes era a cidade de Florença. Os artistas não pintavam qualquer quadro de que gostassem, na esperança de mais tarde o venderem. A maior parte dos quadros era especialmente encomendada por um nobre, por um eclesiástico, por um comerciante ou um rico mercador. O pintor combinava com o patrono no sentido de saber qual tipo de quadro pretendido e onde desejava colocá-lo. O patrono mandava redigir um contrato. Os termos deste determinavam o tamanho, o tema, e o preço do quadro. Por vezes determinavam também o tamanho e o número das figuras e as cores. Lorenço de Médicis, o chefe da família mais importante de Florença, durante os séculos XV e XVI, foi um patrono famoso das Artes. Os Médicis ficaram famosos pela proteção que davam às Artes e ao Ensino.
 
 
 
A Arte Renascentista. Elementos Técnicos:
 
A perspectiva, os retratos, o esfumato (claro escuro), o realismo,
pintura a óleo, o uso do cavalete, a tela.
 
 
 
A Perspectiva
 
O movimento renascentista representou uma verdadeira revolução no mundo das artes: a pintura, a arquitetura e a escultura se desenvolveram enormemente. Foi nesta época que a perspectiva foi descoberta. Durante o período medieval, não só a técnica representativa da perspectiva se perdeu, mas também a visão de mundo dos indivíduos alterou-se, de forma que grande parte do conhecimento teórico a respeito do assunto se perdeu. Foi durante o período do Renascimento que a perspectiva foi profundamente estudada e desenvolvida, abrindo o caminho para o seu estudo matemático através da Geometria projetiva, que posteriormente a sistematizou.
 
Perspectiva, o que é?

É a forma encontrada pelo homem para representar figuras tridimensionais (altura, largura e comprimento) em uma superfície plana.

Antes do surgimento da perspectiva, as pinturas e desenhos normalmente utilizavam uma escala para objetos e personagens de acordo com seu valor espiritual ou temático. Há muitos anos que os artistas chegaram a conclusão de que para fazer com que os objetos pareçam distantes, é necessário desenhá-los em tamanho pequeno. Diversas formas foram elaboradas para que isso pudesse ser feito cientificamente. Deu-se o nome de sistema de perspectiva. Quando aplicado para pintar pessoas, estas parecem muito mais sólidas e naturais.

 
 
 
Perspectiva linear
 
 
 
 
Escola de Atenas - Rafael
 
Na pintura, nenhuma outra época teve tantos e tão talentosos artistas. No Renascimento o aspecto das obras é sempre monumental, majestoso. As figuras tem contorno bem definido e espaço próprio. A paisagem de fundo e o meio ambiante são construídos matemáticamente.
 
 

O poder do Homem: Os Retratos no Renascimento

 
Na Idade Média, quas não se pintaram retratos. Todo o foco estava em Deus, se vivia o teocentrismo. Com a mudança de paradigma que resultou no Renascimento, de repente o homem volta à cena. Ocorre uma verdadeira explosão desta temática. Mais do que isso, os artistas voltam a assinar suas obras. Pouco a pouco o ofício de pintor vai ganhando relevo na sociedade. Portanto, tratamos de um duplo poder, daquele que retrata e do retratado. Os retratos, que eram pintados de perfil, começaram a ser pintados de frente e de maneira mais natural.

 
 
 
 
 

Rafael Sanzio Leonardo da Vinci

 
 
 
A paisagem passou a ser tema principal e não mais o fundo.

Antes de a paisagem ser considerada um gênero artístico, obras isoladas abordaram este tema, por exemplo, na Roma Antiga e na pintura chinesa. No ocidente, depois de ser renegada por quase toda a Idade Média, foi no período Gótico que a natureza voltou a ser valorizada e as paisagens passaram a ocupar o segundo plano das pinturas - retábulos religiosos e iluminuras que retratavam cenas agrícolas e atividades de lazer da nobreza - tendo uma importante conotação simbólica.

A partir do Renascimento italiano, principalmente entre os artistas da Escola Veneziana, cresceu o interesse artístico pela paisagem. Muito em função do próprio pensamento renascentista, em seu ideal naturalista e humanista, que valorizou o terreno e o humano frente ao celestial e ao divino. O artista renascentista portava-se como um cientista que observava, analisava e documentava a natureza através de sua prática - como podemos observar nas paisagens de fundo de A Primavera de Botticelli. Ao mesmo tempo surgia o interesse pela paisagem material, como as famosas pinturas mostrando a realidade festiva de Veneza. Mas ainda predominavam as imagens religiosas e paisagens bíblicas, principalmente a Virgem com o Menino.

 

 
 
Agonia no Horto - Giovanni Bellini
 
 
O Sfumato
( Claro / Escuro )
 
Outro elemento importante introduzido pelo Renascimento foi o Sfumato - Sfumato é o nome da técnica artística usada para gerar gradações perfeitas na criação de luz e sombra de um desenho ou de uma pintura. Ou seja, a técnica de claro escuro - em que não se percebe a passagem das áreas iluminadas para as sombreadas, como no caso da Monalisa. Observe bem É praticamente impossível perceber pinceladas e variações bruscas de tons devido ao uso do sfumato em tela.
 
 
 
 
 
 
 
Mona Lisa - Leonardo da Vinci
 
 
O Renascimento foi o período onde surgiram regras e modelos específicos seguidos até os dias de hoje. Leonardo da Vinci contribuiu para a arte do sfumato. A técnica sempre existiu em materiais/mídias de fricção, como grafite, pastel seco ou carvão. Em materiais de fricção como grafite, pastel seco ou carvão, o sfumato é realizado esfregando-se o dedo por cima da área com impressões de risco, para que esses riscos sumam e fique apenas o resultado limpo do degradê. Ainda em materiais de fricção, existe também a técnica do Esfuminho. Um lápis feito de algodão que substitui a fricção do dedo. A oleosidade da pele muitas vezes atrapalha o sfumato, por isso o Esfuminho é usado.
 
 
O Realismo
 
A representação realista da Natureza, Animais e especialmente do Homem foi a tônica do período. Até cerca do ano de 1425, a maioria das imagens era bastante estilizada, até mesmo esquemática; mas, a partir de então, podem ser vistas pinturas que apresentam um realismo quase fotográfico.
 
 
 
 
Rafael Sanzio
 
 
Pinturas a óleo
 

A pintura a óleo é uma técnica artística, que se utiliza de tintas a óleo, aplicadas com pincéis, espátulas, ou outros meios, sobre telas de tecido, superfícies de madeira ou outros materiais. Pintura a óleo, que apareceu na Itália em meados do século XV, devido às trocas comerciais a partir de Veneza com a Flandres. Substituiu-se, gradualmente, as técnicas da têmpera e do afresco para a pintura a óleo que ao possuir maior tempo de secagem, permitiu a elaboração de modelados e veladuras. A utilização de novos pigmentos aglutinantes (como o óleo) que possibilitava novas associações e gradações da cor.

 
 
 
 
Esta pintura, representa bem a pintura do renascimento porque tem vários aspectos: a terceira dimensão, volume das personagens, naturalismo, representação do nu e da paisagem (arvores), a perspectiva, a profundidade da imagem, a transição de cor muito suave e o realismo.
 
 
 
A Tela e o Cavalete
 
Na Id. Média a madeira era muito usada pelos artistas medievais como suporte de suas pinturas, além de tetos e paredes de igrejas, palácios, castelos e residências. A pintura era executada em paredes e em painéis de madeira maciça enormes, que ficavam fixados nas paredes, não havia possibilidade de removê-las facilmente, devido ao grande peso. Alguém então teve a brilhante idéia de criar a tela e o cavalete para apoiá-la na hora de executar as pinturas. Estes novos suportes como a tela e o cavalete, facilitaram a difusão das correntes estéticas, uma vez que permitiram uma circulação mais fácil das obras.
 
A Tela - Tecido resistente, de linho grosso, juta ou algodão, esticado numa armação de madeira e preparado especialmente para servir de suporte de pinturas: óleo, acrílico, têmpera, etc. Atualmente podemos usar tb. a madeira compensada, o eucatex e diferentes aglomerados.
 
 
tela sobre o cavalete
 
O Cavalete - Armação móvel (suporte) com pés, dotada de uma pequena plataforma na qual apoia-se a tela para pintar e preparar os esboços ( rascunhos, geralmente realizado a carvão, do trabalho a ser executado)
 
 
 
 
 
A Renascença ou Renascimento, legou à Humanidade mais artistas do que em todos os demais movimentos. O estilo marca o início da História Moderna.
 
 
Principais representantes do Renascimento Italiano:
 
 
Botticeli
Masaccio
Donatello
 
Piero della Francesca
Ticiano
Bellini
 
Rafael Sanzio
Michelangelo
Leonardo da Vinci
 
 
 
* * *
 
 
 
 
Por quê o Renascimento?
Nídia Vargas Potsch
 
 
Élade, tu és o Sagrado Berço!
Capricho e sinal dos deuses,
Delícia etérea das Vestais,
Utopia dos Filósofos,
Vaidade dos Menestréis e Poetas,
Paradigma para o Homem!
 
Sua delicadeza de estruturas,
se afinam com a alma e o coração.
És furacão derramando emoções,
Renascida como fênix, sentimental,
plena de esfusiantes mistérios...
Aspirações e lamentos de grandeza ímpar
específicos de uma Colossal Civilização!
 
@Mensageir@
Rio, JAN./2012
 
* * *

Vídeos do Youtube para complementar o que foi dito acima

Renascimento Italiano:
 
 
 
 


*******************


Se desejar ver mais (existem um grande número deles para serem vistos)
basta acessar o youtube em Arte Renascentista.
 
 
 
Espero que tenham gostado das Maravilhas dos Primordios do Renascimento.
Até uma próxima viagem ao encontro de mais detalhes e mais pintores da Época.
E daí em diante começaremos o desfile dos Pintores e suas Escolas de Pintura!
Qualquer pergunta ou dúvida, por e-mail, ok?
Obrigada, NVP.
 
***********************
Créditos:
Texto e compilações: Nídia Vargas Potsch
Arte, Formatação e Molduras: Marilda Conceição / Joice Guimarães / Auber Fioravante Jr.
 

Música: Coração Valente
Imagens: Google.
Vídeos: Youtube

Bibliografia:
1) Apostilas do Colégio Pedro II - (Organizada pelas Profas. de Artes Visuais do Colégio, onde me incluo)
2) História Mundial da Arte - O Renascimento - Bertrand Editora. Vol 3
3) Arte Comentada - Carol Strickland, Ph. D
40 Para entender a Arte - Robert Cumming - Ed. Ática.

Fontes:
www.planetaeducacao.com.br
Consultas e Fontes: Wkipédia.
Imagens e textos auxiliares do Google.
Videos - Youtube
 

Agradecimentos:

Aos três Amigos e Poetas:
Luli Coutinho, Marilda Conceição e Auber Fioravante Jr.
à Webdesigner Joice Guimarães;
e, a todos que contribuíram para que este trabalho se tornasse possível.
Meu profundo reconhecimento e carinho, Nídia.
 
 
 
 

Pintura: Angel Esteves - Galícia - Espanha

 

 

VOLTAR