Pinceladas sobre Arte

(8ª parte)


"A Cor e Eu somos uma coisa só. Eu sou um Pintor! "
Paul Klee

 

Aquarelista
Nídia Vargas Potsch


Quisera ser aquarelista
da minha própria vida
e pintá-la com as cores
do alvorecer, cores de viver...
Numa cromia de amor
lembrando a melodia
que se sabe de cor e
se guarda na memória.
Juntaria as tintas na palheta
fazendo estranhas combinações.
Nuances de todos os tipos
com pitadas apimentadas
de diversas sensações...
Misturaria alho com bugalhos,
criaria luzes e matizes nacarados,
nem frios, nem quentes,
num colorido complementar
refletindo eterno encantar.
E no contraste supremo
de beleza e cor,
enfeitaria minha vida
com uma policromia de amor!


@Mensageir@
Rio, 23/07/2004

 


 

  A COR   (Parte - A)

Vamos colorir um pouco mais Nossas Vidas?



A Origem e a Evolução das Cores


Algumas curiosidades:

Na História da Arte notamos grande evolução quanto aos meios de obtenção e uso das cores. No início, falamos dos Primórdios, dos habitantes das Cavernas, mas não é preciso ir muito longe, não, temos um bom exemplo aqui mesmo em nossas tribos indígenas isoladas. Usavam e ainda usam, apenas, as cores extraídas da natureza, como: o preto do carvão, o branco do calcário, tons amarelados, marrons e esverdeados da terra, etc...

 

 

Com o passar do tempo surgiram os roxos, vermelhos, amarelos, azuis, etc..., cores obtidas através de técnicas e combinações que foram se aperfeiçoando cada vez mais. Embora hoje, muitos pensem, que usar ouro ou prata para colorir e pintar seus trabalhos, seja algo muito valioso e extraordinário, houve um tempo em que a púrpura e o amarelo já foram considerados preciosos e o azul-profundo, valia mais do que o ouro.


Na Europa Medieval, usavam um mineral azul chamado lápis-lazúli que era moído para se transformar numa bela e rara tinta caríssima chamada Ultramar. Usada por pintores famosos como Leonardo da Vinci e outros. Era tão cara que só pequenas partes e as mais importantes da pintura eram pintadas com este tipo de azul, como o manto das Madonas.

                                                        

Na China, só os Imperadores podiam, usar o Amarelo Claro em suas vestes. Eram cores tidas como especiais e imperiais.

Hoje em dia, ou seja a partir do final do século XIX e século XX, os artistas começaram a se interessar pelas cores com mais entusiasmo o que fez com que os cientistas estimulados fizessem novas descobertas sobre as tintas produzidas com novos materiais proporcionando maior variedade e abrindo um leque maior de belas opções.

Nos laboratórios dos fabricantes de tintas existem máquinas capazes de conseguir 180 ou mais tons diferentes de uma única cor. São mais de 800 cores catalogadas. E os tons vão dos mais delicados que denominamos "PASTEL" aos mais vibrantes como por exemplo os "FOSFORESCENTES".

Nem sempre a Cor é usada para fazer algo parecer Real. Todos os artistas usam a Cor para representar emoções e expressar seus sentimentos, mas às vezes, quando querem, eles quebram todas as regras do senso comum porque desejam criar ou fazer novas experiências com a cor. Por isso vemos árvores azuis, corpos verdes, etc... numa pintura e ficamos surpresos com tudo isso.

Há séculos as cores são usadas para transmitir mensagens especiais sobre a cultura, tradições e religião dos povos. Os artistas mostram isso em todas as suas obras em todos os lugares do mundo. As cores podem nos ajudar a pensar e muitas ficam associadas aos sons musicais. Pensou nisso? Alguma vez uma cor o empolgou de tal maneira?

 

O artista russo Wassily Kandinsky ( 1866 / 1944 ) dizia:

 

"A Cor é o acorde; os olhos são as harmonias;
a alma é o piano com muitas cordas. O artista é a mão
que toca, tocando uma clave ou outra para causar vibrações na alma!"

Esta noção de Harmonia Musical perdurou e estendeu-se por muito tempo.

  

  

 

Tubes: Claudia Viza/Guismo/TReagen
Wav: Charlie Chaplin - Les Temps modernes
 

 

 

 

Voltar

 

 

Melhor Visualização: 1024 X 768

Webdesigner: JoiceGuimarães